/ Sinopse
/ informação adicional
/ imagens
/ voltar
Público-alvo Maiores de 6 anos
Duração aprox. 75 min.
Sexta, 19 Fevereiro | 10h00 a Sábado, 20 Fevereiro | 11h00
Espetáculos | Pequeno Auditório
Pinóquio
Teatro
A figura do Pinóquio é mundialmente conhecida; as suas aventuras, um pouco menos. A essa figura associamos principalmente o nariz que cresce com as mentiras, e a ideia que este menino/boneco faz muitas diabruras e é desobediente, e que só à custa de muitas e duras lições se vai tornar num "bom menino".

Recordamos a boa Fada e o paciente Gepetto, sempre dispostos a perdoá-lo e a dar-lhe mais uma oportunidade. O Grilo Falante como voz da consciência e do bom senso. A Raposa e o Gato que o enganam e levam por maus caminhos. E esse misterioso episódio do enorme Tubarão que engole o Pinóquio permitindo que o tão desejado reencontro entre o boneco e o seu pai/criador aconteça exactamente dentro da barriga do monstro. E pouco mais recordamos. Mas as aventuras do Pinóquio são inúmeras, e também as personagens com que ele se encontra e com quem partilha parte do seu caminho.

 

O Pinóquio é um hino a tudo o que é novo, recém-nascido, à vida fresca e palpitante, à curiosidade, ao prazer, e acima de tudo à liberdade. Essas são qualidades fundamentais da juventude indispensáveis para se chegar à  maturidade. A sua ânsia de aventura e de liberdade leva-o a fazer um verdadeiro percurso de aprendizagem, porque ele se recusa a fazer algo que não compreende, simplesmente porque lhe é dito por outros. Aprende com a experiência vivida e sofrendo todas as consequências dos seus erros, e por isso o seu percurso é de verdadeiro crescimento.

 

Podemos vê-lo como uma figura inspiradora que nos recorda, a nós adultos mais ou menos conscientes, o valor da curiosidade, do olhar atónito e espantado sobre tudo o que é vivo e belo, da alegria da descoberta, da liberdade de ser como o vento, da força de enfrentar o desconhecido, da vontade de ser e ter tudo o que é possível ter e ser. E aos mais pequenos queremos dizer que crescer é bonito mas também assusta um pouco, mas que se forem corajosos e não traírem o próprio coração serão felizes e aprenderão tantas coisas novas. Estes são valores grandes e insubstituíveis, próprios dos corações jovens e inexperientes, que queremos proteger e acarinhar, como um tesouro precioso.
 

A partir do conto “As aventuras de Pinóquio” de Carlo Collodi Elaboração dramatúrgica e encenação Sónia Barbosa Cenografia, figurinos e cartaz Helen Ainsworth Luz Cristóvão Cunha Com Célia Fechas, Graeme Pulleyn, Rafaela Santos e Helena Silva Produção executiva Albino Moura Uma produção da Companhia Paulo Ribeiro Com o apoio do Teatro Viriato e do Centro Cultural Vila Flor

2009 © Design Martino&JañaDesign | Programação Webprodz | Optimizado para resoluções superiores a 1280x800