/ Sinopse
/ informação adicional
/ voltar
Sábado, 10 Junho | 22h00
Teatro | Pequeno Auditório
Thom Pain / Lady Grey

"Thom Pain (baseado em nada)", de Will Eno, é a construção - múltipla, rigorosíssima - de uma hesitação monumental. Absoluta quase, dir-se-ia. Um texto sobre o discurso e a exposição física, o medo e a narração, sobre os artifícios e os limites do teatro, e no fim da linha - por um certo inesperado avesso - sobre a própria alegria de estar vivo. Vivo em palco e vivo no público. Vivo ao vivo. Um texto que, na sua aparente leveza, fala dos mais sérios absurdos humanos, não se furtando a quase nada. E uma peça que consegue o feito louco de ir avançando às arrecuas. 

"Lady Grey (numa luz cada vez mais baixa)" - o outro monólogo deste espectáculo - é, também, o texto de um texto, digamos assim, palavras que se sabem palavras. Nele uma actriz tenta preencher o silêncio para, finalmente, eventualmente, conseguir agir. Num certo sentido, não se trata de uma história mas de uma pré-história. Quais as frases de chegar ao princípio?

Will Eno, de quem já se disse ser descendente de Beckett e Albee, é dono de uma voz original e poderosa que faz das contradições forças e da banalidade iluminações. A sua escrita não se esgota no humor nem numa simples estratégia de - palavra horrível - "desconstrução". As suas não-personagens são artificiosas para serem verdadeiras, as suas gargalhadas carregam tristezas mortais. Mas - "não é óptimo estar vivo?"
Thom Pain/Lady Grey é um regresso do .lilástico à tradução de textos de autores contemporâneos. É um espectáculo que, partindo da forma convencional do monólogo, se constrói na direcção da ficção e que, dela, se constrói a relação especial com o público. É um espectáculo que vive da presença gritante de um homem só num palco vazio, um espectáculo que mostra o teatro através de uma mulher sozinha num palco despido.

Direcção e encenação Marcos Barbosa 
Dramaturgia Jacinto Lucas Pires
Elenco Catarina Requeijo e Marcos Barbosa
Cenografia e figurinos Sara Amado
Desenho de luz José Álvaro Correia
Produção .lilástico com a Culturgest

2009 © Design Martino&JañaDesign | Programação Webprodz | Optimizado para resoluções superiores a 1280x800