/ Sinopse
/ voltar
Segunda, 9 Julho a Sábado, 14 Julho
Dança | Grande Auditório
Semana da Dança



Semana da Dança
09 a 14 de Julho

Centro Cultural Vila Flor

O Centro Cultural Vila Flor volta a acolher entre 09 e 14 de Julho mais uma edição da Semana da Dança. Este ano, a coordenação e a direcção artística estão a cargo da bailarina e coreógrafa Clara Andermatt. Amélia Bentes, António Oliveira, Margarida Bettencourt, Vítor Rua e Peter Michael Dietz são os formadores da edição de 2007. As inscrições já se encontram abertas e serão aceites, por ordem de chegada, até ao dia 30 de Junho.

Cinco professores com técnicas, linguagens e estilos bem diferentes.
Amélia Bentes, António Oliveira, Margarida Bettencourt, Vítor Rua, Peter Michael Dietz.
A musicalidade, a voz, o ritmo, o tempo, a interacção destas componentes com o corpo, a relação do som com o movimento de forma coerente e consciente.
O trabalho de rua, o estudo do espaço e do corpo no espaço, a capacidade de observação, a construção de personagens e imaginários, a presença física como chave para a comunicação.
O trabalho com os objectos, a relação do corpo com o objecto, diferentes formas de equilíbrio, transportes, encaixes.
O contacto improvisação, como se comportam dois corpos juntos em movimento, a noção de desorientação no espaço, a noção do peso, do jogo de forças.
A técnica da dança contemporânea, a fisicalidade, o controle, o movimento, a interpretação.
O trabalho a realizar ao longo desta semana pelos diferentes formadores terá como objectivo comum conduzir o corpo e a mente para um estado de pensamento criativo baseado na entrega, na disponibilidade, na abertura e surpresa de nós próprios.
Trabalharemos com a improvisação, sempre analisando, sempre questionando, fazendo experiências com o corpo, com a mente, com a voz, com a música e os objectos. Sabemos que vamos ter uma mostra final do trabalho desenvolvido, mas o importante não é chegar a nenhuma conclusão, decisão ou resultado, e sim alargar e enriquecer o nosso movimento e linguagem pessoais, descobrir diferentes maneiras de nos expressarmos e contribuir desta forma para a afirmação da nossa singularidade criativa. Clara Andermatt


DE 09 A 13 DE JULHO
LABORATÓRIOS COREOGRÁFICOS

14 DE JULHO | 22H00
APRESENTAÇÃO FINAL
CENTRO CULTURAL VILA FLOR

DIRECÇÃO ARTÍSTICA E COORDENAÇÃO
CLARA ANDERMATT

FORMADORES
AMÉLIA BENTES
ANTÓNIO OLIVEIRA
MARGARIDA BETTENCOURT
VÍTOR RUA
PETER MICHAEL DIETZ

Clara Andermatt
Clara Andermatt inicia os seus estudos de dança com Luna Andermatt. Em 1980 recebe uma bolsa de estudo do London Studio Centre, em Londres, onde permanece quatro anos e obtém o respectivo diploma. Obtém igualmente o diploma do curso completo da Royal Academy of Dancing de Londres. Depois de vários estágios em Inglaterra e nos EUA é convidada pelo professor Mervin Nelson para um curso de teatro em Nova Iorque. Foi bolseira do Jacob´s Pillow (Lee, Massachussets, 1988), do American Dance Festival - I.C.R. (Durham, 1994) e do Bates Dance Festival (Maine, 2002). Foi bailarina da Companhia de Dança de Lisboa, desde a sua formação até Junho de 1988, sob a direcção de Rui Horta, e da Companhia Metros de Ramón Oller de 1989 a 1991, em Barcelona. Em 1991 cria a sua própria companhia. Em 1994 inicia a sua colaboração com Cabo Verde, com a criação de várias obras com intérpretes cabo-verdianos, acções de formação e colaborações com artistas de diferentes áreas, que culminaram numa série de residências e projectos. Depois de vários workshops orientados por Michael Margotta, professor de teatro e encenador, é convidada a tornar-se membro do Actor´s Centre ROMA, em 2002. Clara Andermatt coreografou um vasto número de obras. É regularmente convidada a criar para outras companhias, a leccionar em diversas escolas e a participar como coreógrafa em filmes e peças de teatro. A sua actividade realiza-se em Portugal e no estrangeiro. Ao longo da sua carreira, Clara Andermatt tem sido distinguida com diversos prémios, dos quais se destacam: Bolsa Bridget Espinosa (1982-83) - Londres; The Best Student Award do London Studio Centre e 2º Prémio de Coreografia do London Studio Centre com a peça Cake Walk (1983) - Londres; 1º Prémio do III Certamen Coreográfico de Madrid (1989) com a coreografia En-Fim; Menção Honrosa do Prémio Acarte/Madalena Perdigão da Fundação C. Gulbenkian (1992) com a coreografia Mel; em conjunto com o coreógrafo Paulo Ribeiro, é distinguida com o Prémio Acarte/Madalena Azeredo Perdigão da Fundação C. Gulbenkian (1994) com a obra Dançar Cabo Verde; Prémio Almada (1999), atribuído pelo Ministério da Cultura, pela obra Uma História da Dúvida, também eleita Espectáculo de Honra do Festival Internacional de Almada.

Amélia Bentes
Amélia Bentes é diplomada pelo European Dance Development Center (Holanda) e bacharel pela Escola Superior de Dança na área do espectáculo. Da sua experiência profissional destaca-se o trabalho com a companhia Amsterdam Dance Theatre (Holanda), Dance Alliance (Inglaterra) e a participação em vários projectos independentes como bailarina convidada do grupo Hard Knocks dirigido por Yoshiko Chuma, em Nova Iorque. Foi bailarina da Companhia Paulo Ribeiro e da Companhia Clara Andermatt, tendo sido nos últimos anos assistente e colaboradora de Clara Andermatt em várias produções. Em paralelo com a sua carreira de intérprete e coreógrafa, Amélia Bentes lecciona regularmente dança contemporânea em Portugal e no estrangeiro, colabora em projectos de teatro e música e dirige, desde 1997, o Circular Ar. As suas criações mais recentes caracterizam-se pela fusão artística em especial com as artes plásticas, vídeo e pintura.

António Oliveira
António Oliveira nasceu no Porto e sua formação é repartida pelas áreas da dança, do teatro de rua, do circo, do ritmo e da percussão. Na área da dança, a sua formação iniciou-se em meados de 1995 com o curso de luta/dança brasileira Capoeira sob a instrução do professor Marcelo, na Academia de Artes do Porto. Frequentou o curso de Pesquisa e Criação Coreográfica promovido pelo Fórum Dança, sob a orientação coreográfica de Joana Providência, Margarida Bettencourt e Clara Andermatt, realizado no Centro de Dança do Porto. Tem vindo ainda a aprofundar os seus conhecimentos na área do Contacto Improvisação, destacando formações com Dieter Heitkamp (Alemanha) e Kurt Koegel (EUA). Nas restantes áreas, frequentou o Curso de Especialização Artística em Teatro de Rua promovido pela Academia Contemporânea do Espectáculo, no âmbito da "Porto 2001 Capital Europeia da Cultura", e a Formação Avançada Itinerante das Artes de Rua (FAI AR) em Marselha, França. Participou no workshop "O palhaço, o espaço e os objectos" orientado por Nikolaus Maria Holz; workshop de malabarismo e movimento com Gandini Juggling Project realizado em Torino, Itália. Frequentou o Laboratório de Percussão Brasileira com o grupo Caragipau, orientado pelo maestro Marcus, em Torino e a Masterclasse de Pandeiro Brasileiro com o músico Vinícius. Teve ainda formação teórica e prática com o músico David Lacerda.

Margarida Bettencourt
Foi bailarina do Ballet Gulbenkian e como coreógrafa e bailarina independente faz parte dos pioneiros da chamada nova dança portuguesa. Estudou no estúdio de Merce Cunningham em Nova Iorque. Durante as suas estadias em Nova Iorque contactou com as técnicas Alexander e Klein. Está neste momento a tirar o curso de Instrutores de Chi Kung na Escola de Medicina Tradicional Chinesa, em Lisboa. Tem vindo a integrar os conceitos desta arte no trabalho que desenvolve, tanto ao nível do trabalho de corpo como da composição. Margarida Bettencourt dá aulas na Escola de Dança do Conservatório Nacional de Lisboa, Escola Superior de Dança e no Forum Dança, em Lisboa.
 
Peter Michael Dietz
Peter Michel Dietz nasceu na Dinamarca, mas vive em Lisboa desde 1993. Iniciou a sua carreira artística em actividades relacionadas com a técnica teatral (cenografia, som e luz) e em 1987 foi performer na Dancelab, com Anita Saij. Aos 23 anos mudou-se para a Holanda onde ingressou na European Dance Development Center finalizando o curso de bacharel em dança. Em 1991 iniciou sua ligação com Portugal e participou no movimento de construção do que veio a ser chamada Nova Dança Portuguesa, integrando, como performer, três companhias independentes de dança em Portugal: R.E.A.L (João Fiadeiro), Companhia Paulo Ribeiro, e Circula Ar Companhia de Dança (Amélia Bentes). Até 2000, desenvolveu o seu próprio trabalho, que apresentou em diferentes cidades portuguesas e europeias. Paralelamente, ministrou cursos e workshops nas mais diversas instituições: Grupo de Dança de Almada, Pro-Dança, Estúdio Marta Atayde, Fórum Dança, C.E.M, Chapitô, EDDC (Holanda), Escola Superior de Teatro e Cinema, Companhia Instável, Balleteatro entre outros.

Vítor Rua
Guitarrista, compositor e produtor, Vítor Rua estudou guitarra na Escola de Música Duarte Costa de 1974 a 1976. A partir de 1971, iniciou a actividade profissional, executando "covers" de pop-rock e criando grupos de rock com influência do "rock sinfónico".  Fundou com Alexandre Soares, em 1979, o GNR, acrónimo de Grupo Novo Rock, e com esta formação, gravou as primeiras composições de sua autoria. Em 1982 conheceu Jorge Lima Barreto, tendo com ele formado o grupo Telectu e editado nesse ano "Ctu Telectu". Compõe regularmente em trabalhos de música funcional para dança, teatro , cinema e performance. Como videasta singular criou obras de "vídeo music" e ficcionais e compôs música para videogramas de E.M. De Melo e Castro, Rita Nunes e Edgar Pêra.   Na criação de música improvisada, Vítor Rua recorre frequentemente a técnicas instrumentais menos comuns (designadas "instrumental extended techniques") de modo a explorar as várias potencialidades tímbricas e texturais. Com uma forte componente humorística, o seu estilo composicional é igualmente caracterizado pela exploração de pequenos fragmentos e pelo recurso a técnicas instrumentais menos comuns para a obtenção de timbres específicos, não directamente associados à fonte sonora que os produziu.

MODALIDADES DE INSCRIÇÃO
Inscrição Simples, Workshop: 75,00?
Workshop e almoço: 125,00?
Workshop, almoço e jantar: 150,00?    
Workshop, alojamento, almoço e jantar: 250,00?

Idade mínima: 12 anos

As inscrições para a Semana da Dança serão aceites, por ordem de chegada, até ao dia 30 de Junho.

FORMAS DE INSCRIÇÃO E PAGAMENTO

1. Inscrição e pagamento por correio

Para se inscrever na Semana da Dança, basta preencher a ficha de inscrição disponível em PDF. As inscrições poderão ser enviadas por e-mail geral@aoficina.pt, por fax 253424710, ou por correio para a morada:
Centro Cultural Vila Flor
Av. D. Afonso Henriques, 701
4810-431 Guimarães

O pagamento poderá ser efectuado na morada acima mencionada ou através de cheque enviado por correio à ordem de "A Oficina, CIPRL", sempre até à data limite das inscrições. A inscrição só é considerada válida após efectuado o pagamento. Em caso de desistência, não será devolvida a importância paga no acto de inscrição.

Ficha de inscrição 

2. Inscrição e pagamento online

Para tornar mais cómodo o processo de inscrição e o pagamento da Semana da Dança, o site da Oficina disponibiliza-lhe um sistema online.

Como efectuar a Inscrição e o Pagamento online:
1. Preencha a ficha de inscrição online;
2. Registe-se no nosso site;
3. Utilize a plataforma de compra de bilhetes, para efectuar o pagamento.

Após efectuar a inscrição e o pagamento online, receberá, via e-mail, os respectivos comprovativos.

2009 © Design Martino&JañaDesign | Programação Webprodz | Optimizado para resoluções superiores a 1280x800