/ Sinopse
/ voltar
CANDIDATURAS
|
Mais Dois
Programa de aprendizagem na área das artes performativas | AEC Artes Performativas
Mais Dois porque são mais dois modos de ver, mais duas formas de conhecer o mundo. Dois pés para fazer o caminho. Dois saberes que não ocupam lugar e dois, nunca estão sozinhos.
A AEC AP - Atividade de Enriquecimento Curricular na área das Artes Performativas (Teatro e Dança) enquanto oferta educativa como componente artística para as crianças do 1º Ciclo de Ensino Básico (1º e 2º ano) do concelho de Guimarães, existe desde o ano letivo 2014/2015, tendo como missão o desenvolvimento de competências para a aprendizagem de um modo geral, e para a literacia artística em particular. Ao gerar competências e aptidões transversais que contribuem para a autoestima, a educação artística fomenta a motivação e a participação ativa dos alunos, o que tende a melhorar a qualidade de aprendizagem e do ambiente escolar.
 
A coordenação desta AEC resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal de Guimarães (Vereação da Educação) e A Oficina (Educação e Mediação Cultural) e tem vindo a contribuir, num esforço de equidade em todo o Concelho, para o reconhecimento das artes performativas enquanto áreas de conhecimento, estruturantes para a formação do indivíduo e da relação com o coletivo em que se insere.
 
A COORDENAÇÃO
 
A Oficina assume a coordenação dos professores contratados pela Autarquia e a implementação do Programa Mais Dois - programa de aprendizagem na área das artes performativas (Dança e Teatro) – pensado e criado especificamente para o contexto deste projeto. O Programa Mais Dois propõe-se intervir ao nível da ampliação de competências pessoais que proporcionem aos indivíduos o seu desenvolvimento integral e uma cidadania plena, fazendo-o em duas dimensões:
 
Dimensão escola
 
- Qualificar a oferta no que diz respeito às atividades de enriquecimento curricular na área das artes performativas (nomeadamente teatro e dança);
- Valorizar as particularidades locais num contexto geral, inscrevendo a escola no circuito cultural;
- Enriquecer o ambiente escolar a partir de atividades e princípios colaborativos.
 
Dimensão criança
 
- Desenvolver a sua literacia artística;
- Dotar de ferramentas que possibilitem um melhor desempenho nas diferentes solicitações colocadas nas suas rotinas de desenvolvimento;
- Estimular para o reconhecimento do património coletivo, nomeadamente nas suas manifestações no território local e relacionando-as com outros territórios;
- Incentivar a cidadania participativa.
 
Assim, a coordenação realiza-se junto dos agentes envolvidos neste projeto de forma a articular esforços para a implementação do plano anual atuando:
 
- Junto dos artistas e formadores a quem são expostos o contexto e os objetivos do Programa, o perfil dos seus intervenientes, sendo trabalhados o enquadramento, a linguagem e as possibilidades de desenvolvimento de cada atividade.
- Junto das Escolas, assumido o papel de articulação pedagógica e logística numa ação coordenada entre a Educação e Mediação Cultural e a Produção d’A Oficina, a Vereação da Educação/Divisão da Educação e Recursos Humanos da Câmara Municipal de Guimarães.
- Junto dos professores AEC AP responsáveis pelas aulas semanais, através de um trabalho de orientação e capacitação (estratégias, materiais e ferramentas) para o desenvolvimento dos temas e conteúdos propostos no Programa e com vista ao desenvolvimento das competências das crianças. 
 
O apoio à implementação do Programa Mais Dois junto dos professores da AEC contempla: 
 
- Reuniões mensais (remuneradas/integradas no horário dos professores contratados) com vista ao apoio, coordenação e partilha de experiências;
- Formação (gratuitas para os professores AEC AP) relacionada com os conteúdos do Programa;
- Fornecimento de materiais adequados ao Programa (e a possibilidade de assistir gratuitamente aos espetáculos programados pela Oficina no CCVF e na PAC/CIAJG);
- Monitorização através da assistência de aulas ao longo do ano e observação/discussão de planos de aula com cada professor.
Do plano de trabalho dos docentes AEC AP fazem parte tarefas como: a análise e diagnóstico de cada turma, a respetiva planificação a avaliação periódica, a participação nas atividades do Programa destinadas às suas turmas, seja no acompanhamento e/ou mediação, seja na elaboração e realização de ações que as concretizem (nomeadamente as aulas abertas, a comemoração do Dia Mundial da Dança e do Dia Mundial do Teatro). 
 
No plano de atividade do professor na Escola está contemplada, no horário a atribuir, 1h mensal de reunião de articulação com as Escolas/Agrupamento onde leciona. Acresce a participação em reuniões de avaliação de turma.
 
O PROGRAMA
 
Mais Dois modos de ver, dois saberes, e os DOIS, nunca estão sozinhos.
 
Considerando que através de métodos de aprendizagem participativos, baseados na experiência, na autonomia e na responsabilidade, se desenvolvem competências (práticas e intelectuais) e se potencia a criatividade numa perspetiva holística, este Programa contempla um trabalho em contexto de sala de aula, articulado com a realização de oficinas com artistas que se deslocam à sala de aula, saídas para ver espetáculos, aulas abertas com a participação dos pais/encarregados de educação que se deslocam à Escola, entre outras atividades.
 
Tendo em conta o Currículo Nacional para o Ensino Básico procura-se sobretudo o enriquecimento das capacidades de aprendizagem (memória, escuta, cognição e expressão). O modelo de trabalho contempla, por isso, um conjunto de atividades e práticas que promovem a articulação do conhecimento e da experiência, a literacia artística e a criatividade, a relação entre o indivíduo e o coletivo, entre o dentro e o fora da escola.
 
VER, FAZER e PENSAR (plano genérico*)
 
O atual sistema de ensino prevê a componente de dança e de teatro no seu curriculum; por outro lado, a consciência do corpo, o reconhecimento de si e do grupo familiar, a orientação espácio temporal, a memória, a observação e a construção narrativa são capacidades despertadas e testadas nestas idades. Sabendo do peso que o Ler, escrever e contar tem na sociedade atual e no espaço do ensino básico na Escola, propõe-se, na verdadeira condição de atividade de enriquecimento curricular, a aprendizagem para o Ver, Fazer e Pensar.
 
De acordo com Currículo Nacional de Ensino Artístico para o Ensino Básico:
 
A literacia em artes pressupõe a capacidade de comunicar e interpretar significados usando as linguagens das disciplinas artísticas. Implica a aquisição de competências e o uso de sinais e símbolos particulares, distintos em cada arte, para percecionar e converter mensagens e significados. (…)
 
A literacia em artes implica as competências consideradas comuns a todas as disciplinas artísticas, aqui sintetizadas em quatro eixos interdependentes:
 
- Apropriação das linguagens elementares das artes;
- Desenvolvimento da capacidade de expressão e comunicação;
- Desenvolvimento da criatividade;
- Compreensão das artes no contexto.
 
Considerando esta premissa e reconhecendo que através das artes performativas (teatro e dança) se podem tocar outras formas de arte (plásticas, visuais, literárias, musicais), diversas linguagens (populares, eruditas, científicas) e formas de expressão (oralidade, gestualidade, escrita), o plano consiste num conjunto de objetivos, conteúdos e atividades que desenvolvem linguagem/vocabulário e conceitos de corpo, espaço, movimento (qualidade, ritmo, direção) e expressão (imaginário, observação, opinião). 
 
*O plano detalhado com conteúdos, atividades (e calendarização das mesmas) é elaborado anualmente pela coordenação, trabalhado com os Professores AEC AP e partilhado com Diretores e Coordenadores de 1º ciclo dos 14 Agrupamentos, Coordenadores das Escolas e Professores Titulares das turmas que aderirem à AEC de Artes Performativas.
 
Para mais informações:
2009 © Design Martino&JañaDesign | Programação Webprodz | Optimizado para resoluções superiores a 1280x800