Youtube Link   Facebook Link Twitter Link
  
Consulte a edição impressa do programa Guimarães Arte e Cultura através de uma plataforma de visualização digital que permite folhear, de forma atrativa, os conteúdos da programação de julho de 2016.

CLIQUE AQUI

fechar todos
Com a chegada das férias do verão chegam também as três semanas de muitas atividades artísticas e lúdicas para os mais jovens. A cada dia uma oficina/atividade diferente. Para vir num só dia ou durante três semanas, sozinhos ou em pequeno grupo.
A cada dia, uma oficina diferente orientada por artistas. Com matérias variadas, lúdicas e por vezes inusitadas. Uma semana, duas ou três, ou apenas num só dia. Vindo sozinho, com os primos da mesma idade, ou num grupo alargado. Contamos convosco!
 
27 JUNHO A 01 JULHO
 
Segunda, 27 junho
Escrita e Ilustração – começamos a semana com histórias e imagens do que nos é estranho. Animais com pernas humanas, homens que atravessam paredes…
 
Terça, 28 junho
Às voltas no museu – conhecer o museu como um inspetor e ser artista por um dia. Este será o desafio!
 
Quarta, 29 junho
Visita à Casa do Penedo em Fafe – Saímos de Guimarães rumo à longínqua cidade de Fafe. Uma estranha casa de pedra estará à nossa espera!
 
Quinta, 30 junho
Maquetes de pernas para o ar – Com ou sem inspiração vamos construir pequenas casas para seres imaginários. Paredes de água, tetos de chocolate, curvas e zigzags… 
 
Sexta, 01 julho
Percursos sensíveis – Este cheiro faz-me lembrar o jardim do meu avô. Hummm! Este bolo!!! Olha! A minha mãe faz-me ao domingo! Como faço para chegar ao norte? Sigo sempre em frente e depois…
 
04 A 08 JULHO

Segunda, 04 julho
Música nos corpos – Ouve o teu coração. Deixa cair os braços e deita-te no chão. O silêncio enche a sala!
 
Terça, 05 julho
Corpos a dançar ao vento – Em roda ou sozinho no banho… DANÇA até caíres para o lado!
 
Quarta, 06 julho
Visita ao Jardim Botânico do Porto – Como inspiração para o resto da semana, vamos ao Porto visitar um dos nossos ex-libris. 
 
Quinta, 07 julho
Herbários impossíveis – Não são folhas, nem flores, são coisas das quais não sabes falar, são formas nunca antes vistas, tamanhos que talvez precisem de mais espaço…
 
Sexta, 08 julho
Construções de papel – Para terminar a semana vamos construir em papel. Figuras, animais, grandes e pequenos…
 
11 A 15 JULHO
 
Segunda, 11 julho
Filosofia e cinema de animação – Começamos por exercitar o músculo da imaginação e por o pensamento de roda no ar… De tarde o cinema enche-nos por dentro e mostra-nos que há muito para conhecer e pensar.
 
Terça, 12 julho
Escritas de vozes e risos – Hoje vais ser um guionista. Sim, aquele que escreve guiões. O teu vai ser sobre…  
 
Quarta, 13 julho
Oficina de teatro – Personagens e corporizações. As figuras ganham voz e criam-se narrativas novelescas…
 
Quinta, 14 julho
Rádio Novela – Era uma vez uma rádio que gostava de inventar histórias e trocava tudo o que lhe diziam…
 
Sexta, 15 julho
Pintura de mural – Para terminar este programa decidimos transformar uma parede do Centro Cultural Vila Flor. Vamos fazer o projeto e pintar um mural inspirado em cada uma das nossas histórias.
 
Nota: o programa poderá sofrer alterações dependendo de alterações climatéricas e outros motivos alheios à organização.
 
HORÁRIOS
Acolhimento 09h00 às 10h00
Oficinas 10h00 às 12h30 e das 14h30 às 16h30
Saída 17h00 às 18h00
 
PREÇO
Uma semana
€ 30,00 s/ almoço
€ 55,00 c/ almoço
Duas semanas
€ 50,00 s/ almoço
€ 95,00 c/ almoço
Três semanas
€ 70,00 s/ almoço
€ 135,00 c/ almoço
Por dia/oficina
€ 7,00 s/ almoço
€ 12,50 c/ almoço
 
Nota: o preçário inclui seguro, transporte nos dias de saídas ao exterior e todos os materiais necessários para as oficinas.
 
DATA LIMITE DE INSCRIÇÃO até uma semana antes da oficina pretendida e até ao limite da lotação
 
INSCRIÇÕES As inscrições podem ser efetuadas no Centro Cultural Vila Flor, na Plataforma das Artes e Criatividade, ou através do preenchimento do formulário disponível online.
 
Para mais informações contactar Lara Soares (Serviço Educativo) através do e-mail servicoeducativo@aoficina.pt ou do tlf. 253 424 700
With summer holidays about to kick in, there is something else on the horizon: three weeks of fun artistic activities being prepared for young people. Every day will feature a different workshop or activity. Come and join us – be it for just one day or the entire three weeks, or by yourself or with a group of friends. Don`t miss it!
imagens  |  formulario de inscrição fechar todos
4,00 EUR / 3,00 EUR c/d
(bilhete permite visitar as exposições patentes em todas as salas do CIAJG)

Entrada gratuita crianças até 12 anos / domingos de manhã, das 10h00 às 12h30
Preços com desconto (c/d)
Cartão Jovem, Menores de 30 anos e Estudantes
Cartão Municipal de Idoso, Reformados e Maiores de 65 anos
Cartão Municipal das Pessoas com Deficiência; Deficientes e Acompanhante

Cartão Quadrilátero Cultural_desconto 50%
Na exposição “A idade do perigo”, João Grama, artista formado no Ar.Co, sistematiza uma interrogação sobre a aproximação entre as entidades humana e animal, relação arcaica e repleta de estranheza, alteridade e reconhecimento.
Focando a atenção na figura da armadilha, enquanto artifício que propicia o encontro, João Grama demanda paisagens e lugares longínquos, no mar ou na montanha, no litoral ou no exterior, para refletir sobre a temporalidade e a metafísica da existência. 
 
Horário da Exposição
terça a domingo
10h00-13h00
14h00-19h00
In the exhibition entitled “A idade do perigo” (“The age of danger”), João Grama, an artist who studied at Ar.Co, systemizes the inquiry of the closeness between human and animal entities, the archaic and fully unusual relationships of alternation and recognition.

Focusing his attention on a type of trap which might serve as a pretense to spark an encounter, João Grama recalls faraway landscapes and places, both at sea or in the mountains, on the shore or on the inland plains, as a way to reflect the temporality and the metaphysics of existence. 

 
informação adicional fechar todos

Todas as idades

4,00 EUR / 3,00 EUR c/d
(bilhete permite visitar as exposições patentes em todas as salas do CIAJG)

Entrada gratuita crianças até 12 anos / domingos de manhã, das 10h00 às 12h30
Preços com desconto (c/d)
Cartão Jovem, Menores de 30 anos e Estudantes
Cartão Municipal de Idoso, Reformados e Maiores de 65 anos
Cartão Municipal das Pessoas com Deficiência; Deficientes e Acompanhante

Cartão Quadrilátero Cultural_desconto 50%
Francisco Janes é um artista português formado no Ar.Co e que, atualmente, vive em Vilnius, na Lituânia.
O trabalho que desenvolve integra o filme, a fotografia e o som para abordar sítios particulares construídos pela mão do homem onde os ciclos da natureza e a ressonância do cosmos se confundem com os rituais humanos de celebração do lugar. 
 
Horário da Exposição
terça a domingo
10h00-13h00
14h00-19h00
Francisco Janes is a Portuguese artist who studied at Ar.Co and who currently lives in Vilnius, Lithuania.
His most recently developed work is what comprises the film, the photography, and the sound as a way to approach the special places built by the hand of man where the cycles of nature and the resonance of the cosmos meld with the human rituals of the celebration of place.
 
 
informação adicional fechar todos

Todas as idades 

4,00 EUR / 3,00 EUR c/d
(bilhete permite visitar as exposições patentes em todas as salas do CIAJG)

Entrada gratuita crianças até 12 anos / domingos de manhã, das 10h00 às 12h30
Preços com desconto (c/d)
Cartão Jovem, Menores de 30 anos e Estudantes
Cartão Municipal de Idoso, Reformados e Maiores de 65 anos
Cartão Municipal das Pessoas com Deficiência; Deficientes e Acompanhante

Cartão Quadrilátero Cultural_desconto 50%
Na primeira noite do mês de julho, o Centro Internacional das Artes José de Guimarães inaugura um novo ciclo expositivo marcado pela celebração da riqueza do território e da comunidade vimaranenses.
A exposição “Objectos Estranhos: ensaio de proto-escultura” tem por objetivo reunir um amplo conjunto de peças do património religioso, popular e arqueológico da região, fazendo-as dialogar com peças de artistas contemporâneos. Através da extensa paisagem de objetos expostos – que vão desde as pinturas de Mestre Caçoila até ex-votos em cera, passando por peças notáveis de alguns dos mais significativos espólios museológicos do Concelho, como é o caso de S. Torcato, S. Francisco ou Fermentões – pretendemos celebrar a riqueza, a pluralidade e a idiossincrasia de uma terra muito densa, através não só da reunião desses objetos mas, igualmente e sobretudo, de uma plêiade de convidados que, no âmbito e no interior da exposição, ajudarão a perceber as crenças, os hábitos e rituais que organizam a vida das pessoas.
 
Com Mestre Caçoila (pintor aos domingos) e Musa paradisiaca 
Peças das Coleções de Museu de Alberto Sampaio, Sociedade Martins Sarmento, Museu da Agricultura de Fermentões, Venerável Ordem Terceira de São Francisco, Associação Artística da Marcha Gualteriana, Igreja de São Domingos, José de Guimarães / CIAJG e gentis colecionadores particulares 
Curadoria de f.marquespenteado e Nuno Faria
 
Inauguração da Exposição 01 de julho, às 22h00
 
Horário da Exposição
terça a domingo
10h00-13h00
14h00-19h00
On the first evening in the month of July, the José de Guimarães International Center for the Arts – CIAJG will inaugurate a new exhibition cycle with a celebration of the richness of both the land around Guimarães and the entire Guimarães community.
The exhibition, “Strange Objects: essay on proto-sculpture” will bring together a broad range of pieces from the region`s religious, archaeological and folk heritage, inviting them to enter a dialogue with pieces from contemporary artists. Through the extensive landscape of the objects on display, which range from the paintings of Mestre Caçoila to wax ex-votos offerings, in addition to some of the most notable pieces from museum collections in the county – as in the case of objects from São Torcato, São Francisco and Fermentões – the intention is to celebrate the wealth, plurality, and the idiosyncrasy of a land whose traditions are a gift. This exhibition is not just bringing together the objects but also a wide range of people who will participate in the event by helping visitors to understand the beliefs, habits, and rituals that serve as the foundation of the lives of the people. 
informação adicional fechar todos
Todas as idades
Entrada livre
Guimarães volta a vestir-se de branco para a noite mais memorável do ano!
No dia 09 de julho, Guimarães volta a transformar-se num enorme palco branco com música para todos os gostos e muita animação. A Noite Branca é uma das festas mais acarinhadas pelos vimaranenses que, nesta data, saem à rua e enchem a cidade com uma alegria contagiante. Para tornar a festa memorável pede-se a todos que vistam branco, criando um ambiente único em Guimarães. A música está em todo o lado, com vários palcos espalhados pelos locais mais emblemáticos da cidade para fazer dançar até de madrugada. No Largo João Franco, para os mais ecléticos, ouve-se hip hop, r&b, pop, drum and bass, reggae, samba, arroxa, pagode, afrobeat e kizomba. Na Praça de S. Tiago, o som será house comercial e no Largo Condessa do Juncal ouve-se música mais funk e soul. A Plataforma das Artes e da Criatividade volta a acolher o Palco Remember para os mais nostálgicos apreciarem os hits dos anos 70, 80 e 90. A Rua de Sto. António também se associa à festa com grandes doses de animação. O já mítico Trio Elétrico desce novamente do Largo da Mumadona até ao Largo do Toural a debitar bem alto música eletrónica, dance music e house. Guimarães converte-se, assim, numa gigantesca pista de dança! 
 
PROGRAMA
 
Largo da Mumadona até ao Largo do Toural 
> Pedro Cazanova
> Palco Dance Music, Electronic Dance Music, House (Trio Elétrico)
 
Largo João Franco 
> The Fucking Bastards
> Palco Hip Hop, R&B, Pop, Drum and Bass, Reggae, Samba, Arroxa, Pagode, Afrobeat, Kizomba
 
Praça de S. Tiago 
> Nuno Luz
> Palco House Comercial
 
Largo Condessa do Juncal 
> Nelson Lisboa
> Palco Comercial, Funk, Soul

Plataforma das Artes e da Criatividade
> Francisco Gil
> Palco Remember 70´s, 80´s & 90´s
 
Rua de Sto. António
> Palco Dance Music, Comercial
Guimarães dresses white again for the most memorable night of the year!

On the 9th of July, Guimarães once again is transformed into an enormous stage with music to please a variety of tastes and lots of entertainment to boot. The White Night is a special favorite amongst Guimarães residents since the event brings them out en masse to fill the streets of the city with an energy that this absolutely contagious. To make the evening even more memorable, everyone is told to wear white clothing, which makes for a fun and lively atmosphere. Music is everywhere, with a series of stages set up at the most emblematic spots in the city, beckoning everyone to dance until the wee hours of the morning. At the Largo João Franco, the more eclectic event-goer can enjoy the sounds of hip hop, R&B, pop, drum and bass, reggae, samba, arrocha, pagode, Afro-beat and kizomba. At the Praça Santiago, on offer is house music while at the Largo Condessa do Juncal funk and soul will be featured. The Platform for the Arts and Creativity once again welcomes the ‘Flash-Back Stage’ for those wanting to enjoy a nostalgic trip back to the hits of the 1970s, 80s and 90s. The Rua de Sto. António will also join in on the festivities with a generous helping of entertainment. And the already mythical Trio Elétrico will also fill the Largo da Mumadona to the Largo do Toural cranking out electronic music, dance music and house. This is how Guimarães will turn into one gigantic dance floor!

informação adicional  |  imagens fechar todos

Todas as idades

A Academia de Bailado de Guimarães, em coprodução com o Centro Cultural Vila Flor, leva ao palco “A Caminho de Malicuti”, conto redondo criado por alunos e professores.
Este espetáculo resulta do trabalho desenvolvido nos últimos três meses e conta com a participação de todos os alunos de ballet clássico, contemporâneo e hip-hop. Dois caminhos, um destino. Dois caminhos, um desejo. Atravessando o labirinto das emoções descobrimos um imenso espaço vazio pronto para receber o sonho acordado. Lentamente os olhos aprendem a sorrir com o reflexo da luz do sol e das estrelas. Num pequeno grande vale entre duas montanhas entramos num vai-vem de cores onde a paixão se funde com a fantasia.
The Academia de Bailado de Guimarães, in a co-production with the Vila Flor Cultural Center, will bring to the stage the show entitled, “A Caminho de Malicuti” (“On the Way to Malicuti”), a story created by students and teachers.
This show came about as the result of a project developed over the past three months and will feature the participation of all the students of classical ballet, contemporary and hip-hop dance. Two paths to take, one destination. Two roads to follow, one desire. By traveling the labyrinth of emotions we discover a large empty space that is open to receive an awakened dream. Slowly, the eyes learn to smile with the reflection of sunlight and the stars. In a small broad valley between two mountains we enter the back-and-forth of colors where passion intertwines with fantasy.
informação adicional fechar todos
Coprodução Academia de Bailado de Guimarães e Centro Cultural Vila Flor
Coreografia Ana Araújo, Ana Coutinho, Demo, Helena Sousa, Ivo Ribeiro, Liliana Garcia e bailarinas convidadas
Texto conto redondo criado pelos intérpretes com orientação de Helena Sousa
Desenho de luzes Ricardo Santos
Sonoplastia João Guimarães e Ricardo Santos 
Efeitos Sonoros Outra Voz
Audiovisuais Ivo Ribeiro 
Cenários, Figurinos e Adereços Aleksandra Rankovic, Ana araújo, Ana Coutinho, Ballet Rosa, Demo, Helena Sousa, Ivo Ribeiro, Micaela Larisch, Milita Marinho, Milu Salgado e Centro Social Nossa Senhora do Carmo
Ilustrações Tânia Mendes
Bailarinas convidadas Cláudia Fernandes, Inês Sousa e Luísa Martins
Maiores de 3
4,00 EUR / 3,00 EUR c/d
(bilhete permite visitar as exposições patentes em todas as salas do CIAJG)

Entrada gratuita crianças até 12 anos / domingos de manhã, das 10h00 às 12h30
Preços com desconto (c/d)
Cartão Jovem, Menores de 30 anos e Estudantes
Cartão Municipal de Idoso, Reformados e Maiores de 65 anos
Cartão Municipal das Pessoas com Deficiência; Deficientes e Acompanhante

Cartão Quadrilátero Cultural_desconto 50%
Na noite de 15 de julho, o CIAJG abre novamente as suas portas para inaugurar uma nova exposição.
Para o filósofo alemão Martin Heidegger, de cuja obra o título desta exposição é pedido de empréstimo, a produção artística é uma forma de posicionamento do homem perante a natureza. Perguntamos aqui o que significa produzir arte. Enquanto modo específico de produção, a arte produz o quê? Estando na orla, nas margens, na confluência do mundo industrializado com o mundo natural, na obra de arte “ganha forma o próprio acontecimento da clareira do ser”. Uma forma de esclarecimento. De onde vimos, quem somos, para onde vamos? Talvez a arte trilhe um caminho que não leva a parte nenhuma; um caminho de floresta feito para nos perdemos e, na diversidade da natureza, nos reencontrarmos com a origem e os fundamentos do humano. Esta exposição reúne, assim, um conjunto de aproximações e de diálogos com uma certa ideia de natureza, enquanto tematização do diverso, daquilo que nos é estranho, e de como a podemos vir a traduzir, a compreender e a habitar.
 
Com Alberto Carneiro, Celeste Cerqueira, Filipe Feijão, Franklim Vilas Boas, Ilda David, Maria Capelo, Musa paradisiaca + Tomé Coelho, Reis Valdrez
Curadoria de Nuno Faria

Inauguração da Exposição 15 de julho, às 22h00
 
Horário da Exposição
terça a domingo
10h00-13h00
14h00-19h00
On the evening of July 15th, the CIAJG will open its doors again to inaugurate a new exhibition.

For the German philosopher Martin Heidegger, whose work has lent its name to the title of the present exhibition, an artistic production is a way of positioning man in the context of nature. Here we ask what the act of producing art might signify. As a specific mode of production, art produces what exactly? Being on the border, at the shore, at the confluence of the industrial and the natural world, it is said that in the work of art “the very event of the clarity of being takes form.” A type of clarification. Of where we come from, who we are and where we are going? Perhaps art is treading a path which takes us nowhere; we choose to go off the beaten track in a forest in order to go off wandering, and in the diversity of nature we have a reencounter with human origins and foundations. This exhibition thus brings together a set of approximations and dialogues with a certain idea of what nature is in a thematicized exercise on the diverse, on what appears strange to us, and how we might come to translate, understand and inhabit what we experience. 

informação adicional fechar todos
Todas as idades
Entrada livre
Local PAC / Plataforma das Artes e da Criatividade
“Tipping Point” é um espetáculo onde o palco é circular e a plateia fica próxima da ação. Os cinco artistas transformam cinco simples mastros de metal numa rica paisagem de imagens.
Juntos, eles enfrentam uma série de desafios tais como, mastros equilibrados nas pontas dos dedos, suspensos no telhado, escalados, conseguindo desviar a ação de uma catástrofe com mestria. Dentro deste mundo oscilante, eles empurram-se e apoiam-se uns aos outros enquanto lutam com o momento em que as coisas começam a mudar. Eles têm de decidir se combatem contra o caos ou se viajam para outro universo, permitindo que a vida os conduza ao ponto de inflexão (Tipping Point).
Tipping Point is set in a round stage with the audience drawn in close to the action. The five performers are transforming simple metal poles into a rich landscape of images.
Together they face a series of challenges as poles are balanced on fingertips, hung from the roof, swung, lashed, climbed up and clung to, the action veering from catastrophe to mastery. They must decide whether to rail against the chaos or ride it out, allowing life to tilt towards the tipping point.
informação adicional fechar todos
Companhia Ockham`s Razor
Produção Turtle Key Arts 
Criação e Direção Charlotte Mooney & Tina Koch - Ockham`s Razor 
Criação e Interpretação Alex Harvey, Telma Pinto, Steve Ryan, Emily Nicholl & Nich Galzin 
Composição Musical Adem Ilhan e Quinta 
Design de Equipamento Ockham`s Razor 
Figurinos Tina Bicat 
Desenho de Luz Phil Supple 
Direção de Cena Sophie Postlethwaite 
Fotografia Mark Dawson 
Coprodutores London International Mime Festival e The Lowry, Salford Quays 
Apoiados por Dance City, Harlow Playhouse, artsdepot & Lincoln Drill Hall 
Ockham`s Razor é financiado por PRS for Music Foundation e the Royal Victoria Hall Foundation
Maiores de 3
Entrada livre
Local PAC / Plataforma das Artes e da Criatividade
“Capacidade de um corpo recuperar a sua forma original após sofrer choque ou deformação”.
Recuperar a sua forma? Forma original? Por outro lado, pensando na ideia plástica da escola da Bauhaus que defende a simplicidade da forma, partindo da situação do corpo, do ser, do estar em pé, do caminhar e somente no fim do saltar e do dançar. Ponto, linha, plano, volume. Resolvemos juntar estas duas noções. Como seres resilientes neste mundo conturbado, vamos procurar esta essência da forma, da cor, do espaço, do ser num processo contínuo de simplificação, utilizando as artes do novo circo e suas técnicas virtuosas que nos abrem novas linhas e planos no espaço e novas perspetivas sobre o ser humano e os seus limites.
“Capacity of a body to recover its original shape after suffering shock or deformation.”
Regaining your form? Original one? On the other hand, thinking of the plastic idea of Bauhaus school that advocates the simplicity of form, based on the body situation, of being, of standing, the walk and only at the end of jumping and dancing. Point, line, plane, volume. We decided to put together these two notions. As resilient beings in this troubled world, we seek this essence of form, color, space, of being in a continuous process of simplification, using the arts of the new circus and its virtuous techniques that open new lines and planes in space and new perspectives about the human being and its limits.
informação adicional fechar todos
Companhia Umpor1
Direção Artística Bruno Machado 
Orientação Artística Cláudia Nóvoa 
Assistência de Direção e Produção Mickaella Dantas 
Interpretação e cocriação André Araújo, Bruno Machado, Carmen Viegas, Chandra Malatisch, Juliana Moura e Luís Reis 
Cenografia A Casa ao Lado 
Música Original Luca Argel 
Fotografia Aclo 
Coprodução Festival Internacional Vaudeville Rendez-Vous 
Residências Artísticas Acro Clube da Maia, Junta de Freguesia Tenões, Lago Discount
Maiores de 3
Entrada livre
[A Bienal aceita a contribuição de 2 ou 5 euros, com direito a Pin`s da Contextile]
Mais informação www.contextile.pt
Uma exposição inédita que integra 54 obras, de 51 artistas, selecionadas entre 732 propostas (544 artistas) por um júri internacional composto por Lala de Dios, Cláudia Melo, Lívia Papai, Paula Sá e Paulo Leocádio.

Um retrato da criação de arte têxtil contemporânea no panorama artístico nacional e internacional, com obras provenientes de artistas dos quatro cantos do mundo, de países como Japão, Taiwan, Argentina, Brasil, Estados Unidos, Polónia, Inglaterra, Portugal, entre outros. O júri da bienal atribui, também, um Prémio de Aquisição e menções honrosas.

 
Horário da Exposição
terça a sábado
10h00-13h00
14h00-19h00
An original exhibition showing 54 artworks of 51 artists, selected among 732 proposals (544 artists), selected by an international Jury composed by Lala de Dios, Cláudia Melo, Lívia Papai, Paula Sá e Paulo Leocádio.
A portrait of contemporary textile art in the national and international artistic scope, with artworks of artists from all around the world, of countries such as Japan, Taiwan, Argentina, Brazil, United States, Poland, United Kingdom, Portugal, among others.  The jury of the biennial also attributes an Acquisition Prize and honorable mentions.
informação adicional fechar todos
Todas as idades
Entrada livre
Local Casa da Memória

[A Bienal aceita a contribuição de 2 ou 5 euros, com direito a Pin`s da Contextile]
Mais informação www.contextile.pt
Exposição das artistas Elena Brebenel (Roménia), Inguna Levsa (Letónia) e Sandra Heffernan (Nova Zelândia) resultado de residências artísticas realizadas em junho e julho, nas empresas têxteis Sampedro e MoreTextiles, e na Oficina (bordadeiras).

A Contextile propôs a estas artistas, selecionadas a partir de uma convocatória nacional e internacional (43 artistas candidatos), uma residência tendo como objetivo a criação e produção de obras artísticas a partir das técnicas de Jacquard, Estampagem e Bordado de Guimarães. Estas residências contribuem para a prossecução dos objetivos estratégicos da bienal: aproximar a Indústria Têxtil e o Bordado (de Guimarães) à arte têxtil contemporânea, possibilitando, aos artistas, novas experiências e novas abordagens criativas a partir das diferentes técnicas de manufaturação do têxtil.

 
Horário da Exposição
terça a domingo
10h00-13h00
14h00-19h00
Exhibition from the artists Elena Brebenel (Romania), Inguna Levsa (Latvia) and Sandra Heffernan (New Zealand) resulting of artistic residencies occurring in June and July in the textile companies Sampedro and MoreTextiles, and at Oficina (embroiderers).
Contextile proposes to these artists, selected of a national and international call (43 artists candidates), a residency that has as objective the creation and production of artistic artworks from theJacquard, Imprint and Embroidery of Guimarães techniques. These residencies contribute to the prosecution of the biennial strategic objectives: to approach Textile Industry and the Embroidery (of Guimarães) to contemporary textile art, enabling artists of new experiences and new creative approaches, from the different techniques of textile manufacturing. 
informação adicional fechar todos
Todas as idades
Entrada livre
[A Bienal aceita a contribuição de 2 ou 5 euros, com direito a Pin’s da Contextile]
Mais informação www.contextile.pt
Parte da ação da Bienal, para o enquadramento do têxtil no contexto da arte contemporânea, centra-se na reflexão e debate de projetos e ideias.
Nesse sentido, as Textile Talks são parte fundamental dessa ação, já que promovem a apresentação e discussão de processos e projetos artísticos. “Textile In Contemporary Art: This is my work, let’s talk about it! | Este é o meu trabalho, vamos falar sobre ele” é o mote destas conversas à volta do têxtil, promovidas pela Contextile em parceria com a ETN-European Textile Network. O programa de 2 dias foi desenhado a partir das candidaturas apresentadas, em resposta ao open call aberto para artistas e investigadores da arte têxtil contemporânea a nível global.
Part of the Biennial`s action, for the textile frame in the context of the contemporary art, is centered in the reflexion and debate of projects and ideas.
In this sense, the textile Talks are a fundamental part of this action, for they promote the presentation and discussion of artistic processes and projects. “Textile In Contemporary Art: This is my work, let`s talk about it!”, it is the mot of these conversations around textile, promoted by Contextile in partnership with  ETN-European Textile Network. The 2 days programme was designed from the presented, in reply to the Open Call, open to artists and researchers of the contemporary textile art at a global level. 
informação adicional fechar todos
Todas as idades

 

 

Entrada livre
[A Bienal aceita a contribuição de 2 ou 5 euros, com direito a Pin’s da Contextile]
Mais informação www.contextile.pt
No âmbito da Contextile 2016, o CIAJG apresenta uma ampla mostra individual de Ilda David’ em torno da produção de bordados que a artista vem realizando tendo como mote central, mas não exclusivo, o universo literário de Maria Gabriela Llansol.
Em paralelo, uma remontagem ampliada do núcleo de têxteis pré-colombianos da valiosa coleção deste Centro.
 
Horário da Exposição
terça a domingo
10h00-13h00
14h00-19h00
In the Contextile 2016 âmbit, CIAJG presents a vast individual show of Ilda David` around the production of embroidery that the artist has been performing, with the central mot, but not exclusive, on the literary universe of Maria Gabriela Llansol.

 In parallel, an expanded reassembly of the pre-colombian textile of this Centre`s valuable collection core. 

informação adicional fechar todos
Todas as idades
4,00 EUR / 3,00 EUR c/d
(bilhete permite visitar as exposições patentes em todas as salas do CIAJG)

Entrada gratuita crianças até 12 anos / domingos de manhã, das 10h00 às 12h30
Preços com desconto (c/d)
Cartão Jovem, Menores de 30 anos e Estudantes
Cartão Municipal de Idoso, Reformados e Maiores de 65 anos
Cartão Municipal das Pessoas com Deficiência; Deficientes e Acompanhante

Cartão Quadrilátero Cultural_desconto 50%
“Labirinto e Eco” é o mote da nova montagem da coleção permanente do Centro Internacional das Artes José de Guimarães.
Durante o período de um ano, as salas do piso superior do CIAJG vão acolher um extenso e variado conjunto de intervenções de artistas contemporâneos, convidados a dialogar com os notáveis objetos da coleção de José de Guimarães e outros entretanto reunidos no acervo da instituição. O eco da criação artística propaga-se pelos tempos, numa fascinante e misteriosa viagem que descobrimos com renovado espanto a cada visita que fazemos ao museu, a cada museu. No CIAJG não é diferente. Propomos uma experiência única de visita ou revisitação através do labirinto da história pelo próprio pé do espetador ou pela mão dos monitores do nosso Serviço Educativo.
 
Horário da Exposição
terça a domingo
10h00-13h00
14h00-19h00
“Labirinto e Eco” (“Labyrinth and Echo”) is the name given to the new arrangement of the permanent collection of the José de Guimarães International Arts Centre (CIAJG).
In the coming year, the exhibition rooms of the upper floor of the CIAJG will welcome an extensive and varied set of contemporary art pieces which are meant to enter a dialogue with notable objects created by the artist José de Guimarães as well as other pieces held in the institution’s collection. The echo of the artistic creation is a sound that carries over the decades and centuries in a fascinating and mysterious journey that unfolds with renewed awe each time we visit the museum, any museum. And the CIAJG is no different. Allow us to propose a unique visitor´s experience through the labyrinth of history – you may tread the path yourself or take the hand of a docent from our Educational Services. 
 
informação adicional fechar todos

Todas as idades

4,00 EUR / 3,00 EUR c/d

Entrada gratuita crianças até 12 anos / domingos de manhã, das 10h00 às 12h30
Preços com desconto (c/d)
Cartão Jovem, Menores de 30 anos e Estudantes
Cartão Municipal de Idoso, Reformados e Maiores de 65 anos
Cartão Municipal das Pessoas com Deficiência; Deficientes e Acompanhante

Cartão Quadrilátero Cultural_desconto 50%
A Casa da Memória é uma âncora da História e da Cultura de Guimarães, nas suas perspetivas histórica, social, cultural, económica e vivencial.
Situada na antiga fábrica de plásticos Pátria, na Av. Conde Margaride, é um local de encontro, partilha e reflexão dos vimaranenses com e sobre as suas raízes, tradições e memórias. Na Casa da Memória poderá encontrar histórias, documentos, factos e objetos que permitem conhecer diferentes aspetos da comunidade através de um largo arco temporal: da Pré-História à Fundação da Nacionalidade, das Sociedades Rurais e Festividades à Industrialização do Vale do Ave e à Contemporaneidade. Através de uma leitura cronológica da História é ainda possível conhecer os marcos que modelaram a região de Guimarães e compreender a evolução das suas transformações sociais e geográficas. Mais do que uma visita contemplativa, a Casa da Memória oferece aos visitantes uma experiência. Muitas são as histórias e as memórias que Guimarães guarda, e que se guardam sobre Guimarães. Venha conhecer e mergulhar na essência da comunidade viva que identifica e distingue Guimarães.
 
Horário
terça a domingo
10h00-13h00
14h00-19h0
Casa da Memória is an anchor of Guimarães History and Culture, in a historical, social, cultural, economic and experiential perspective.

Located in the old plastic factory Pátria, in Av. Conde Margaride, is a place where citizens of Guimarães share and reflect on their roots, traditions and memories. Casa da Memória brings together a set of stories, documents, facts and objects enabling us to get to know different aspects of the community from Prehistory to the Dawn of Portugal`s Nationhood, from Rural Societies and Festivities to the Industrialization of the Ave River Valley and Contemporary Times. A chronological reading of History provides a linear reference to get to know the landmarks dotting the region and to understand how its social and geographical transformations have evolved. More than a contemplative visit, Casa da Memória offers an experience to the visitors. Many are the stories and the memories kept by Guimarães, and which are kept with regard to Guimarães. Come visit and immerse in the essence of the living community that identifies and distinguishes Guimarães.

informação adicional fechar todos

Todas as idades

2009 © Design Martino&JañaDesign | Programação Webprodz | Optimizado para resoluções superiores a 1280x800