Festivais Gil Vicente
Festas da Cidade e Gualterianas
Festivais Gil Vicente
Festas da Cidade e Gualterianas
Festivais Gil Vicente
Festas da Cidade e Gualterianas
menu logo
main logo
menu logo
menu logo
menu logo
menu logo
menu logo
site atual logo
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Grande Auditório

SEXTA 15 OUTUBRO, 19H30

Segunda 2

Paulo Ribeiro
ESTREIA

Há vinte e seis anos criei a primeira peça da Companhia Paulo Ribeiro: “Sábado 2”. Foram tempos em que acreditei e acreditámos que tudo seria possível. O mundo prometia abertura, a Europa consolidava um projecto comum e Portugal estava empenhado em tornar-se maior. De sábado a segunda passou um fim de semana e um quarto de século. Foi belo, foi intenso e, sobretudo, permitiu tornar sonhos em realidade. O momento actual obriga a algum balanço. Às vezes, à força de fazer, há um olhar que se pode perder num tempo que nos ultrapassa.

 

“Segunda 2” parece-me ser a lógica continuação de um projecto que é obrigatoriamente de autor e que surge do imperativo de voltarmos todos a uma suposta normalidade. Um trabalho individual com o foco no colectivo. É o início da semana, o momento propício para produzir e ir em frente. Aprendemos todos muito com os tempos que a nível global fomos obrigados a (ultra)passar. Voltamos a projectos âncora, voltamos com vontade de fazer melhor, voltamos com a dimensão do sonho e a vontade de recuperar o tempo que ficou para trás. Voltamos com a imensa vontade de voltar a estar próximos, de celebrar a vida, de reencontrar a festa.

 

É uma coreografia que se desafia a si própria, que se coloca no limiar da falha que será sempre uma aliada e não uma adversária. Uma peça que convoca algumas memórias de tantas outras e que, nos seus percursos secretos, se inspira em muito daquilo que os tempos nos têm dado. Não olhamos para a falha como obstrução, assim como não olhamos para todos os sonhos desfeitos, os impasses que teimam em ser condição de vida, as dinâmicas culturais, tantas vezes inconclusivas, a tentativa vã de fixar e construir.

 

A dança continua num lugar confinado, mas isso não nos interessa, na próxima segunda tudo vai mudar, se não for na próxima será na outra, ou na seguinte, e para isso acontecer, vamos continuar a desafiarmo-nos, a brincar, a provocar e exorcizar a falha. Vamos ser singulares e colectivos. Vamos reencontrar a festa. Vamos reencontrar o corpo. Vamos continuar a dançar.

 

Paulo Ribeiro

(o autor escreve segundo o antigo acordo ortográfico)

Preço
10,0€ / 7,5€ c/d

COMPRAR



Maiores de 6

Coreografia, Direção Artística e Montagem Sonora Paulo Ribeiro

Interpretação Ana Moreno, Catarina Keil, Margarida Belo Costa, Pedro Matias, Sara Garcia e Valter Fernandes

Textos de Isabel Nogueira

Texto de Paulo Ribeiro lido por Catarina Keil

Desenho de Luz Nuno Meira

Assistente de desenho de luz Manuel Abrantes

Figurinos José António Tenente

Organização de objetos cénicos (cenografia) João Mendes Ribeiro

Produção Companhia Paulo Ribeiro

Coprodução Centro Cultural de Belém, Lisboa; A Oficina, Guimarães; Teatro Nacional São João, Porto; Teatro Viriato, Viseu e Cine-Teatro Louletano, Loulé

Apoio Escola Superior de Dança


A Companhia Paulo Ribeiro é uma estrutura financiada pela República Portuguesa -Cultura/Direção-Geral das Artes