Youtube Link   Facebook Link Twitter Link
  
COMPRAR BILHETES
Consulte a edição impressa do programa Guimarães Arte e Cultura 09 através de uma plataforma de visualização digital que permite folhear, de forma atrativa, os conteúdos da programação de setembro de 2014.

CLIQUE AQUI


CLICK HERE

fechar todos
Entrada gratuita*
*Os bilhetes estarão disponíveis a partir das 10h00 do dia do concerto (25 de setembro), no Palácio Vila Flor, no máximo de 2 bilhetes por pessoa.
O Centro Cultural Vila Flor é palco para um concerto da recém-criada Orquestra de Guimarães.

Fortemente assente na excelência, a Orquestra de Guimarães procurará ser, a médio prazo, uma formação de referência na sua área artística de intervenção. Esta formação funcionará na cidade de Guimarães em regime de residências artísticas. As linhas orientadoras da programação estarão assentes em fortes princípios ecléticos e de proximidade com a comunidade local. Paralelamente pretende dotar a cidade e a região com uma formação orquestral residente de alto nível. Sob a direção artística de Vítor Matos e programação de Domingos Castro, a Orquestra de Guimarães promete brindar o público vimaranense com concertos de elevada qualidade artística.

The Vila Flor Cultural Center sets the stage for the recently-created Guimarães Orchestra.

The Guimarães Orchestra has strived to establish itself as an institution based on excellence and one which represents an exemplary model in the field of music, with its primary endeavors supported by artists-in-residence in Guimarães. The programming guidelines pay particular attention to eclectic principles and rely on a close relationship with the community, and in a parallel fashion, they will provide the city and the region with orchestral training via artists-in-residence of the highest level. Under the artistic direction of Vítor Matos and with programming by Domingos Castro, the Guimarães Orchestra will most certainly honor the audiences of Guimarães with the highest of artistic quality performances. 

informação adicional fechar todos
Direção Artística Vítor Matos
Programador Domingos Castro
Programa
Mozart, W. A.: As Bodas de Fígaro K.492  (Abertura)
Mozart, W. A.: Concerto para Piano e Orquestra nº20 em Ré menor K. 466
                           Solista Pedro Emanuel Pereira 
Beethoven, L.V.: Sinfonia nº 3 em Mib Maior, op. 55 "Eroica"
Maiores de 4
COMPRAR BILHETES
5,00 EUR / 3,50 EUR c/d
Preços com desconto (C/D)
Cartão Municipal de Idoso, Reformados e Maiores de 65 anos
Cartão Municipal das Pessoas com Deficiência; Deficientes e Acompanhante; Cartão Jovem Municipal; Cartão Jovem, Menores de 30 anos e Estudantes

Cartão Quadrilátero Cultural_desconto 50%
Cláudia Dias dirige, coreografa e interpreta “Vontade de Ter Vontade”, uma peça que nasce do sentimento de confrontação geracional que Cláudia diz sentir em relação aos seus alunos.
Um confronto que a obriga a uma reflexão sobre a sua geração e sobre a forma como a artista se relaciona com a antecedente e a precedente. Este movimento de ir para a frente, supostamente para o futuro e para trás, para o passado, implica a que se situe no presente. Num aqui e agora. E assim nasce a imagem galvanizadora desta nova criação, a de transformar o palco num território – Portugal. “Vontade de Ter Vontade” é um percurso onde as dimensões individual, coletiva, pessoal e histórica coabitam o mesmo espaço. Este percurso traça um olhar sobre o momento atual que se vive na Europa (e no Mundo), pondo em evidência as relações entre o Norte e o Sul, entre o colonizador e o colonizado, entre o central e o periférico. É também um manifesto contra a inevitabilidade. 
 
SEXTA 26 SETEMBRO / APÓS O ESPETÁCULO "VONTADE DE TER VONTADE"
HÁ CONVERSA COM...
CLÁUDIA DIAS, RAQUEL CASTRO E DANI BROWN
 
A partir de setembro, o Serviço Educativo propõe conversas regulares no âmbito de várias disciplinas e vertentes da programação. Há conversa com... acontecerá regularmente após um espetáculo ou no âmbito de uma exposição, com o desejo de aumentar o vocabulário comum entre artistas e públicos e de promover o sentido crítico e a capacidade de fruir os objetos artísticos. A segunda conversa deste mês acontece no final do espetáculo “Vontade de ter vontade” e terá como protagonistas as criadoras das performances do ciclo Women Power (Cláudia Dias, Raquel Castro e Dani Brown).
Cláudia Dias is the director, choreographer and performer of “Vontade de Ter Vontade,” a play which stemmed from the generational confrontations she felt with regard to her students.

This is a confrontation which has made Cláudia Dias reflect upon her generation and the way an artist relates with what comes before and what comes after. The movement of pushing forward, supposedly toward the future, and backward, toward the past, implies that one is situated in the present, in the here and now. Thus the binding image of this new creation is born – one which transforms the stage into a territory, Portugal. “Vontade de Ter Vontade” takes the path where individual, collective, personal, and historical dimensions co-inhabit the same space. The show takes a look at the reality of life today in Europe (and the World), shedding light on the relationships between North and South, between the colonizer and the colonized, between the center and the periphery. It is also a manifesto against inevitability.

informação adicional  |  imagens fechar todos
Direção artística, coreografia e interpretação Cláudia Dias Assistência Cátia Leitão Texto Cláudia Dias e Cátia Leitão Espaço cénico Cláudia Dias Desenho de luz Carlos Gonçalves Direção técnica e operação de luz Nuno Borda de Água Música América do Norte, Seu Jorge Professores de samba Carmen Queiroz e Pedro Pernambuco Produção e difusão SUMO/Sofia Campos Coprodução deSingel Internationale Kunstcampus e Culturgest Apoio Residências Dance Ireland, Fórum Cultural José Manuel Figueiredo, Espacio AZALA, El Graner/Mercat De Les Flors/Modul Dance
Cláudia Dias é uma artista apoiada pela Modul-dance http://www.moduldance.com/
Maiores de 12

(Fotografia da autoria de Margarida Ribeiro)
COMPRAR BILHETES
5,00 EUR / 3,50 EUR c/d
Preços com desconto (C/D)
Cartão Municipal de Idoso, Reformados e Maiores de 65 anos
Cartão Municipal das Pessoas com Deficiência; Deficientes e Acompanhante; Cartão Jovem Municipal; Cartão Jovem, Menores de 30 anos e Estudantes

Cartão Quadrilátero Cultural_desconto 50%
“Os dias são connosco” é uma reflexão sobre o quotidiano, a relação mãe-filha, a realização profissional, o dinheiro, a família, o amor, o envelhecimento.
Quando a sua filha nasceu, Raquel Castro iniciou um diário em vídeo de 365 dias para poder mostrar-lhe, mais tarde, o seu primeiro ano de vida. Inspirada por esse registo privado e documental, decidiu depois criar um espetáculo, uma carta-vídeo de uma mãe para uma filha que é também um retrato de uma pessoa e do mundo que a rodeia, feito ao vivo para ser visto no futuro. “Foi importante perceber que a vida está cheia de presente, de um presente que não podemos abarcar na totalidade”, explica a artista. “Para esta versão escolhi representar-me servindo-me das ferramentas próprias do teatro, procurando tornar mais simbólicos alguns traços do meu retrato. Este é também um retrato datado, pretende ser um reflexo dos dias de hoje”, conclui Raquel. 
 
“Os dias são connosco” is a reflection on everyday life, the mother-daughter relationship, professional achievements, money, family, love, and ageing.
When Raquel Castro’s baby girl was born, she began a 365-day video diary so that she could one day show her daughter her first year of life. Inspired by this personal, documentary project, Raquel then decided to create a show, a video-post card of a mother to her daughter, which is also a portrait of a person and the surrounding world, recorded live but meant to be shown in the future. “It’s important to understand that life is full of the present, but one which we cannot comprehend fully,” the artist explains. “For this version, I chose to show myself by using the tools that are unique to the theater, attempting to make some aspects of my portrait more symbolic. This is also a dated portrait, it is intended to be a reflection of life today,” Raquel adds. 

 

informação adicional  |  imagens fechar todos
Criação e interpretação Raquel Castro 
Apoio dramatúrgico Pedro Gil 
Vídeo e Luz João Gambino 
Coprodução Maria Matos Teatro Municipal
Maiores de 12
COMPRAR BILHETES
5,00 EUR / 3,50 EUR c/d
Local: Black Box da Plataforma das Artes e da Criatividade

Preços com desconto (C/D)
Cartão Municipal de Idoso, Reformados e Maiores de 65 anos
Cartão Municipal das Pessoas com Deficiência; Deficientes e Acompanhante; Cartão Jovem Municipal; Cartão Jovem, Menores de 30 anos e Estudantes

Cartão Quadrilátero Cultural_desconto 50%
“How do you imagine the Devil?” é uma divertida peça que brinca com as identidades, os limites e o proibido. O diabo é testemunha.

Este espetáculo foi pensado para ser uma obra em constante evolução, numa peça em que os universos do real e da ficção se fundem e se vão tocando na tangibilidade um do outro. Este é o primeiro solo da artista que já carrega em si a promessa de um futuro de sucesso no mundo da arte. Dani Brown convida o diabo a participar num jogo em que se brinca com a consistência do caos e de uma transformação em curso testando os limites da relação que vai estabelecendo com o público ao longo da peça. O desejo como uma tentação que ultrapassa os limites do género.

 
“How do you imagine the Devil?” is an entertaining show which plays with identities, boundaries, and the forbidden.

This show was envisioned to be a work that would be subject to constant evolution in the context of a play where the universe of what is real and what is fiction blends together in the tangible nature of each element. This is the first solo work of an artist who shows promise for the future in the art world. Dani Brown invites the Devil to participate in a game which plays with the notion of what makes up chaos and transformation, all the while testing the limits of his relationship with the audience during the show. Desire is a temptation which surpasses the limits of gender.

informação adicional  |  imagens fechar todos
Coreografia e Performance Dani Brown Diretor Convidado Melina Seldes Performer Convidado Gael Cleinow
Composição de Som, Treinador de Voz Alessio Castellacci Design de Luz Henning Eggers Management Jackson Klein Produção FINGERSIX | Kampnagel Internationale Kulturfabrik Hamburg | DanseFestival Barents 2013 (Hammerfest, NO) Apoio Financeiro Hamburgische Kulturstiftung Pesquisa e Apoio de Produção K3 Tanzplan Hamburg, LePacifique Centre Choreographic (Grenoble, FR), Surviving Dance: Politics + Economics + Art, Garage 29 (Brüssel), TRYangle (Marseille, FR), und ImpulsTanz Festival (Wien, AT)
Maiores de 12
COMPRAR BILHETES
2,00 EUR
Esta não é uma Cinderela tradicional!
Personagens saídos de outros contos de fadas caem do céu para dificultar a vida a Cinderela. Há uma Bruxa-Má que detesta histórias com final feliz e um Lobo-Mau disfarçado de GNR a patrulhar as estradas da floresta. Os Sete Anões são chamados para salvar Cinderela de morte certa, na sua qualidade de especialistas em técnicas de salvamento de meninas envenenadas. A Fada-Madrinha é uma tia irascível e ajusta contas com a Bruxa-Má, num combate de wrestling. No final Cinderela casa mesmo com o príncipe e têm imensos filhinhos, para descanso de todos.

 

This is not your everyday Cinderella!

Characters from other fairy tales drop out of the sky to make Cinderella’s life a real pain. There is the Wicked Witch who hates stories with a happy ending and the Big Bad Wolf dressed as a GNR policeman patrolling the forest roads. The Seven Dwarves are called in to save Cinderella from certain death as they are technical specialists in saving poisoned young girls. The Fairy Godmother is an easily irritable socialite who wants to give the Wicked Witch her just desserts in a wrestling match. In the end, Cinderella marries the prince and has loads of children and everyone gets some rest.

informação adicional  |  imagens fechar todos
Horário 28 setembro | 16h00 e 29 setembro | 10h30 e 15h00 Duração c. 45min.

Encenação, texto e cenografia João Paulo Seara Cardoso Marionetas a partir de desenhos de João Vaz de Carvalho Música Paul Ferrer Figurinos Pedro Ribeiro Coordenação de movimento Isabel Barros Desenho de luzAntónio Real e Rui Pedro Rodrigues Produção Sofia Carvalho Interpretação Edgard Fernandes, Shirley Resende, Rui Queiroz de Matos Operação de luz Cláudia Valente Assistentes de produção Edgard Fernandes, Pedro Miguel Castro Oficina de construção Rui Pedro Rodrigues (coordenação e modelação), Inês Coutinho (pintura), Nuno Valdemar Guedes, Filipe Garcia Construção cenográfica Américo Castanheira, Tudo-Faço Design gráfico Jorge Cerqueira Fotografia de cena Susana Neves Apoio Balleteatro Auditório Coprodução Teatro de Marionetas do Porto, Auditório de Espinho, FIMS - Chão de Oliva
O Teatro de Marionetas do Porto é uma estrutura financiada por Governo de Portugal — Secretaria de Estado da Cultura/Direção Geral das Artes
Maiores de 4

Preços com desconto (c/d)
Cartão Jovem Municipal, Cartão Jovem, Menores de 30 anos e Estudantes
Cartão Municipal de Idoso, Reformados e Maiores de 65 anos
Cartão Municipal das Pessoas com Deficiência; Deficientes e Acompanhante
Sócios do Convívio - Associação Cultural

Cartão Quadrilátero Cultural_desconto 50%
Este ano, o Guimarães Jazz volta a surpreender com cartaz de excelência. A edição de 2014 do festival irá decorrer de 06 a 15 de novembro. Os bilhetes já se encontram à venda.
David Murray, James Carter, Adrián Oropeza, Theo Bleckmann, Reut Regev, Uri Caine, Lee Konitz, Trondheim Jazz Orchestra com Eirik Hegdal e Joshua Redman são apenas alguns dos nomes que compõem a edição de 2014 do Guimarães Jazz que este ano se realiza de 06 a 15 de novembro.
 
O Guimarães Jazz completa em 2014 a 23ª etapa de uma longa história de divulgação do jazz ao público português, confirmando-o como um caso raro de longevidade, persistência e capacidade de implantação na muitas vezes instável e precária paisagem cultural nacional, e afirmando-o simultaneamente como um evento no qual se conseguem construir pontes temporais, estéticas e geográficas. Numa época em que as palavras “inovação” e “mudança” parecem ter-se instalado em definitivo no léxico do discurso contemporâneo, o Guimarães Jazz surge como um pólo agregador de estabilidade, respeito pela história e tradição da música e convicção nos valores que nos guiaram desde o início deste trajeto. O festival é também um lugar de celebração da liberdade e que assume o risco de enfrentar a multiplicidade de caminhos e possibilidades que marcam a arte do presente.
 
O programa do Guimarães Jazz 2014 é o reflexo de uma identidade alicerçada e consolidada no compromisso entre tradição e vanguarda, rutura e citação. O equilíbrio do alinhamento dificulta a escolha dos elementos em destaque, pelo que é a força e a coerência deste conjunto de propostas o elemento a reter desta edição. O festival volta novamente a apresentar um programa composto quase exclusivamente de nomes nunca antes apresentados no Guimarães Jazz – a exceção é o incontornável pianista Uri Caine, que faz a sua terceira aparição no festival (depois de um concerto com ensemble a interpretar as “Variações Goldberg” de Bach, em 1999, e um outro a solo em 2001), apresentando-se agora em trio. Teremos também a honra de ter pela primeira vez o histórico saxofonista Lee Konitz, o extraordinário Theo Bleckmann num estranho e desafiante projeto de interpretação das canções de Kate Bush, bem como os plenamente afirmados nomes no universo jazzístico de David Murray, James Carter e Joshua Redman, este último como solista da Trondheim Jazz Orchestra.
 
O Guimarães Jazz volta também a apresentar as já habituais atividades paralelas, entre as quais as jam sessions e as oficinas de jazz (dirigidas este ano por Reut Regev, o reputado cornetista Taylor Ho Bynum, Adam Lane e Igal Foni), e mantendo a frutuosa relação que tem vindo, nos últimos anos, a desenvolver com a ESMAE. É importante, porém, mencionar que 2014 marca o fim da colaboração com a editora TOAP e o início de uma parceria coma associação portuense Porta Jazz que vem reafirmar a vocação do festival enquanto plataforma de visibilidade e promoção do jazz português, e dos músicos mais jovens em particular.
 
O jazz é o ponto de partida deste grande evento cultural, mas não a sua fronteira última. O Guimarães Jazz pretende ser um espaço de acolhimento e expressão de diversas linguagens musicais e, nesse sentido, um detonador de reflexões sobre o que significa fazer música e arte no convulsivo mundo de hoje e em face do enigmático horizonte de um futuro por vir.
 
PROGRAMA GUIMARÃES JAZZ 2014
 
Quinta 06 novembro, 22h00
CCVF / Grande Auditório
Preço 20,00 eur / 17,50 eur c/d
 
Sexta 07 novembro, 22h00
CCVF / Grande Auditório
Preço 20,00 eur / 17,50 eur c/d
 
Sábado 08 novembro, 17h00
PAC / Black Box
Preço 10,00 eur / 7,50 eur c/d
 
Sábado 08 novembro, 22h00
CCVF / Grande Auditório
Preço 20,00 eur / 17,50 eur c/d
 
Domingo 09 novembro, 17h00 
CCVF / Grande Auditório
MÚSICA E DIREÇÃO DE REUT REGEV E TAYLOR HO BYNUN
Preço 10,00 eur / 7,50 eur c/d
 
Domingo 09 novembro, 22h00 
PAC / Black Box
Preço 10,00 eur / 7,50 eur c/d
 
Quarta 12 novembro, 22h00
CCVF / Grande Auditório
Preço 10,00 eur / 7,50 eur c/d
 
Quinta 13 novembro, 22h00
CCVF / Grande Auditório
Preço 20,00 eur / 17,50 eur c/d
 
Sexta 14 novembro, 22h00
CCVF / Grande Auditório
Preço 20,00 eur / 17,50 eur c/d
 
Sábado 15 novembro, 22h00
CCVF / Grande Auditório
Preço 20,00 eur / 17,50 eur c/d
 
ASSINATURAS
 
Preço 90,00 eur (acesso a todos os concertos)
 
Preço 50,00 eur (acesso aos concertos de 06 a 09 de novembro)
 
Preço 50,00 eur (acesso aos concertos de 12 a 15 de novembro)
informação adicional fechar todos

 Maiores de 12

4,00 EUR / 3,00 EUR c/d
(bilhete permite visitar as exposições patentes em todas as salas do CIAJG)

Entrada gratuita crianças até 12 anos / domingos de manhã (10h00 às 14h00)
Preços com desconto (c/d)
Cartão jovem, Cartão jovem municipal, Menores de 30 anos, Estudantes, Cartão Municipal de Idoso e Reformados, Maiores de 65 anos, Pessoa com deficiência e acompanhante, Cartão Quadrilátero Cultural
O CIAJG reúne peças oriundas de diferentes épocas, lugares e contextos em articulação com obras de artistas contemporâneos.
Ao longo de um percurso pelas oito salas que constituem o piso 1 do edifício, os visitantes poderão rever alguns dos ex-libris das coleções, mas também descobrir novas peças que integram as constelações de objetos e imagens organizadas a partir de tipologias como: arcaico/contemporâneo; acontecimento/história; estranho/ familiar; erudito/popular; material/imaterial.
 
Arte Tribal Africana, Arte Pré-Colombiana e Arte Chinesa Antiga da Coleção de José de Guimarães, Objetos do Património Arqueológico, Popular e Religioso, Obras de Artistas Contemporâneos: Vasco Araújo, Franklin Vilas Boas, João Botelho, Otelo Fabião, Jarosław Flicinski, José de Guimarães, f.marquespenteado, Rosa Ramalho, Ernesto de Sousa.

CIAJG - José de Guimarães International Arts Centre brings together pieces from different times, places and contexts in connection with work by contemporary artists. Throughout the eight rooms that shape the building’s first floor, visitors can, in this new cycle of exhibits, revisit some of the collections’ showpieces, and, at the same time, find new pieces which are part of constellations of objects and pictures organised using taxonomies such as: archaic/contemporary; event/history; unfamiliar/familiar; erudite/popular; material/immaterial.

informação adicional  |  imagens fechar todos
Horário da Exposição
terça a domingo
10h00-19h00
Todas as idades
4,00 EUR / 3,00 EUR c/d
(bilhete permite visitar as exposições patentes em todas as salas do CIAJG)

Entrada gratuita crianças até 12 anos / domingos de manhã (10h00 às 14h00)
Preços com desconto (c/d)
Cartão jovem, Cartão jovem municipal, Menores de 30 anos, Estudantes, Cartão Municipal de Idoso e Reformados, Maiores de 65 anos, Pessoa com deficiência e acompanhante, Cartão Quadrilátero Cultural
João Botelho (Lamego, 1949) é um dos cineastas portugueses mais destacados.

João Botelho estudou Cinema no Conservatório Nacional e Engenharia Mecânica na Universidade de Coimbra. Foi cineclubista, no Porto e em Coimbra, onde dirigiu o CITAC. Foi crítico de cinema na Gazeta da Semana e na revista M, de que foi fundador. Iniciou a sua atividade como realizador em 1976. O cinema de João Botelho estabelece múltiplas e profundas relações com o imaginário da arte, desde a pré-história à contemporaneidade, detendo-se sobre a pintura dos séculos XVI e XVII. A exposição que lhe será dedicada procura detetar e dar a ver essas relações, mais ou menos evidentes, obscuras e luminosas, a um tempo.

 
João Botelho (b. 1949 in Lamego) is one of the most prominent Portuguese film-makers.
He studied cinema and film-making at the National Conservatory, and Mechanical Engineering at the University of Coimbra. He was member of the Ciné-Clubs in Oporto and Coimbra, where he was director of CITAC. He has been film critic for the Gazeta da Semana and the magazine M, of which he was founder. João Botelho began film-making in 1976, and his work establishes multiple and deep relationships with the imaginary and with art, from pre-historic to contemporary themes, with special affinity for 16th and 17th century painting. The exhibition dedicated to him here seeks to identify and depict relationships, more or less evident, obscure and luminous of a time.
informação adicional  |  imagens fechar todos
Horário da Exposição
terça a domingo
10h00-19h00
Todas as idades
Entrada livre
(exceto na sessão do filme "Os Maias", cujo preço é 3,50 euros / entrada livre para sócios do Cineclube de Guimarães)
Organização
A Oficina e Cineclube de Guimarães
Paralelamente à exposição de João Botelho, patente no CIAJG - Centro Internacional das Artes José de Guimarães, será apresentado um ciclo de cinema dedicado à obra do realizador, entre os meses de agosto e outubro.
Quinta-feira 28 agosto, 21h45
O Bravo Som dos Tambores
Tráfico
PAC - Plataforma das Artes e da Criatividade
 
Sexta-feira 29 agosto, 21h45
Valsa
Oh, Lisboa Meu Lar!
Aquando Lha Lengua for Falada
PAC - Plataforma das Artes e da Criatividade
 
Sábado 30 agosto, 21h45
A Mulher que Acreditava ser Presidente dos EUA
PAC - Plataforma das Artes e da Criatividade
 
Terça-feira 09 setembro, 21h45
Conversa Acabada (The Other One) [1981]
CCVF / Pequeno Auditório
 
Terça-feira 16 setembro, 21h45
Um Adeus Português (A Portuguese Farewell) [1985]
CCVF / Pequeno Auditório
 
Terça-feira 23 setembro, 21h45
Tempos Difíceis (Hard Times) [1987]
CCVF / Pequeno Auditório
 
Terça-feira 30 setembro, 21h45
No Dia dos Meus Anos (Mein Geburtstag) [1992]
Três Palmeiras (Les Trois Palmiéres) [1994]
PAC / Black Box
 
Terça-feira 07 outubro, 21h45
Aqui na Terra (Qui Sulla Terra) [1993]
PAC / Black Box
 
Domingo 19 outubro, 21h30
Os Maias [2014]
CCVF / Grande Auditório

 

 

imagens fechar todos
4,00 EUR / 3,00 EUR c/d
(bilhete permite visitar as exposições patentes em todas as salas do CIAJG)

Entrada gratuita crianças até 12 anos / domingos de manhã (10h00 às 14h00)
Preços com desconto (c/d)
Cartão jovem, Cartão jovem municipal, Menores de 30 anos, Estudantes, Cartão Municipal de Idoso e Reformados, Maiores de 65 anos, Pessoa com deficiência e acompanhante, Cartão Quadrilátero Cultural
A exposição “O encontro inesperado do diverso” é a primeira de um ciclo que aborda universos autorais no campo da poesia, cruzando-os com a linguagem própria da arte contemporânea.
A exposição O encontro inesperado do diverso é a primeira de um ciclo que aborda universos autorais no campo da poesia, cruzando-os com a linguagem própria da arte contemporânea. Tendo como pano de fundo o livro "Lisboaleipzig", obra de charneira no percurso de Maria Gabriela Llansol, convidámos a pintora Ilda David e o fotógrafo Duarte Belo a revisitar visual e materialmente este singular universo que, como poucos, reinventou a língua e a escrita.

APRESENTAÇÃO DO CATÁLOGO "MARIA GABRIELA LLANSOL / ENCONTRO INESPERADO COM O DIVERSO"
Sábado, 11 de outubro, 17h30, Sala de Conferências do CIAJG (entrada livre)
Em torno da apresentação do catálogo da exposição “Maria Gabriela Llansol / O encontro inesperado do diverso” promovemos uma conversa com os artistas Ilda David e Duarte Belo, o editor Manuel Rosa, os responsáveis pela Casa Llansol, João Barrento e Maria Etelvina Santos, e Nuno Faria, diretor artístico do CIAJG.
The exhibition “The unexpected encounter with the diverse” is the first in a cycle which takes up the creative universe of authors who write poetry, crisscrossing them with the unique language of contemporary art.
Using the seminal book by Maria Gabriela Llansol, Lisboaleipzig, as a back drop, we have invited painter Ilda David and photographer Duarte Belo to visually and materially revisit this singular universe, which reinvented language and writing like no other.

LAUNCH OF THE CATALOG “MARIA GABRIELA LLANSOL / ENCONTRO INESPERADO COM O DIVERSO"
Saturday, October 11, 05:30 p.m., Conference Room of CIAJG (free admission)
For the presentation of the catalogue of the exhibition “Maria Gabriela Llansol / O encontro inesperado do diverso” (“The unexpected encounter with the diverse”) we are hosting a conversation with the artists Ilda David and Duarte Belo, editor Manuel Rosa, administrators of the Casa Llansol, João Barrento and Maria Etelvina Santos, and Nuno Faria, artistic director of CIAJG.
informação adicional  |  imagens fechar todos
Horário da Exposição
terça a domingo
10h00-19h00
Todas as idades
2009 © Design Martino&JañaDesign | Programação Webprodz | Optimizado para resoluções superiores a 1280x800