Youtube Link   Facebook Link Twitter Link
  
Consulte a edição impressa do programa Guimarães Arte e Cultura através de uma plataforma de visualização digital que permite folhear, de forma atrativa, os conteúdos da programação de abril de 2018.

CLIQUE AQUI

fechar todos
2,00 EUR
Pensar, olhar, escutar, criar, fazer, sentir. Na sala, na cozinha, à mesa ou lá fora. Há domingos em que só nos apetece estar em casa, por isso, venham para a Casa.
Num domingo por mês, procuramos diferentes modos de ver histórias, tradições, lendas, pessoas, lugares ou objetos, que encontramos no espaço expositivo. No aconchego desta Casa, há encontros entre famílias, amigos, gerações, artistas e artesãos. E ideias também. Vamos criar labirintos, inventar histórias, usar barro, linha ou papel, fazer comida, música e promessas, com as mãos, a cabeça e o corpo todo. Em abril, vamos levantar voo! Inspirados por histórias de Ícaros e Rodolfos, experimentamos criar asas, feitas de cera e liberdade.
 
Criação e Orientação Rita Faustino
Público-alvo Maiores de 3
Duração c. 90 min.
Lotação mín. 10 / máx. 20 pessoas
Preço 2,00 eur
Inscrição até 19 de abril, através de telefone 253424700, e-mail mediacaocultural@aoficina.pt ou formulário disponível no site www.casadamemoria.pt 
Thinking, seeing, listening, creating, doing, feeling. In the living room, in the kitchen, at the table or outdoors. There are Sundays when all you want to do is stay home.

So come to our home, the Casa. One Sunday per month, we go in search of different different ways of seeing stories, traditions, legends, persons, places, or objects that we find in the exhibition space. In the coziness of the Casa, we offer a space of encounter for families, friends, different generations, artists and artisans. And ideas as well. We will create labyrinths, invent stories, use clay, linen or paper, we will make food, music and promises, with our hands, our heads and our entire body. In April, we take flight! Inspired by the stories of Icarus and Rodolfo, we will try building wings, creating them with both wax and freedom.

fechar todos
Entrada livre*
*até ao limite da lotação da sala
“Livre com um Livro” é um projeto de leitura pública comemorativo da Liberdade, dinamizado pelo Núcleo de Estudos 25 de Abril, com o apoio d’ A Oficina.
Na edição deste ano, a partir de textos poéticos de autores como Manuel Alegre, Sophia de Mello Breyner Andresen e Miguel Torga, o ator/encenador Nuno Preto é convidado para encenar esta apresentação, que conta com a participação de 18 alunos, representantes das bibliotecas escolares dos Agrupamentos de Escolas de Briteiros, Taipas, Arqueólogo Mário Cardoso, Afonso Henriques, Virgínia Moura, Francisco de Holanda, Professor Abel Salazar e da Escola Secundária de Caldas das Taipas.
“Livre com um Livro” (“Free with a book”) is a performance to encourage reading that commemorates the theme of freedom and being organized by the Núcleo de Estudos 25 de Abril, with the support of A Oficina.
As part of this year’s edition, selected poetic texts by Manuel Alegre, Sophia de Mello Breyner Andresen and Miguel Torga will be used by actor/director Nuno Preto, who has been invited to direct this presentation featuring 18 students representing the school libraries from the Briteiros, Taipas, Arqueólogo Mário Cardoso, Afonso Henriques, Virgínia Moura, Francisco de Holanda, Professor Abel Salazar High School Clusters and the Caldas das Taipas High School.
informação adicional fechar todos
Encenação das Leituras Nuno Preto
_
Duração 60 min.
Todas as idades
Entrada livre
CIAJG / Piso -1
"Ação / Decisão” é uma exposição em que se mostra o que acontece. Os autores, artistas ou coletivos, habitarão o CIAJG e apresentarão o seu trabalho no museu.
O público pode, a qualquer momento, durante a primeira semana confrontar-se com a obra dos Arthomem – Fernando Brito, Manuel João Vieira, Pedro Portugal e Pedro Proença –, depois com Vânia Rovisco e, na terceira parte, com João Fiadeiro e um grupo de artistas seus convidados. As três partes da exposição serão acompanhadas por três realizadores que vão criar o catálogo, desta vez fílmico, de trabalhos em que a relevância da transiência, do atrito, das tomadas de decisão e da ação serão agudizadas e vigorosamente problematizadas, por serem intrínsecas a esta experiência.
 
Arthomem - Fernando Brito, Manuel João Vieira, Pedro Portugal e Pedro Proença + convidados
(24 a 29 abril, das 14h00 às 19h00)
Vânia Rovisco (01 a 06 maio, das 14h00 às 19h00)
João Fiadeiro + convidados (08 a 13 maio, das 14h00 às 19h00)
 
Consulte o site do Centro Internacional das Artes José de Guimarães

“Ação / Decisão” (“Action / Decision”) is an exhibition which shows what is happening. The authors, artists or a collective, will inhabit the CIAJG and perform their work at the museum. The general public is invited at any time during the first week to appreciate the work of Arthomem – Fernando Brito, Manuel João Vieira, Pedro Portugal and Pedro Proença – and next meet up with Vânia Rovisco`s work, and in the third part do likewise with João Fiadeiro and a group of his guest artists. The three parts of the exhibition will be followed by three film-makers who will create the catalog, this time in a filmed version, of works in which the relevance of transience, friction, decision-making and action are exacerbated and vigorously problematicized for being intrinsic to this experience.
informação adicional fechar todos
Curadoria Mariana Viterbo Brandão
Curadoria Catálogo Luciana Fina
Realização Filipe Bessa Viera, Joana Silva Fernandes, Raquel Teixeira
Som Sérgio Carvalho, Vera Lopes
Coordenação Escola Superior de Teatro e Cinema, João Milagre 
Coordenação Restart Elsa Oliveira
Mediação Matilde Seabra
Agradecimento Duplacena
_
Maiores de 16
COMPRAR BILHETES
5,00 EUR / 3,50 EUR c/d
Preços com desconto (c/d)
Cartão Jovem, Menores de 30 anos e Estudantes
Cartão Municipal de Idoso, Reformados e Maiores de 65 anos
Cartão Municipal das Pessoas com Deficiência; Deficientes e Acompanhante
_
Cartão Quadrilátero Cultural_desconto 50%
Ao falarmos de música e liberdade, inevitavelmente o primeiro nome que nos vem à memória é o de José Afonso, ou Zeca, simplesmente. Do incondicional apego deste grande artista à liberdade e à luta contra a ditadura derrubada em 25 de abril de 1974, todos os portugueses saberão um pouco. Mas serão talvez menos aqueles que conhecem o seu espírito altruísta e generoso. A cidade de Guimarães foi, por diversas vezes, antes e após o 25 de abril, palco das suas atuações. Nestas deslocações à nossa cidade, várias pessoas puderam testemunhar o seu desprendimento material ao não exigir qualquer remuneração. E, por absoluta necessidade, quando teve de o fazer, foi como que a pedir desculpa. Alguns vimaranenses que com ele contactaram bem o sabem. Recordar José Afonso não é apenas identificá-lo com Grândola, Vila Morena, mas antes olhá-lo como músico, poeta e cidadão, na plenitude da sua genial obra, que é parte fundamental da cultura portuguesa. No habitual Concerto Sons da Liberdade, presta-se este ano homenagem a José Afonso, na sua multifacetada obra, a qual não deve ser redutoramente chamada de música de intervenção. A perenidade do seu legado artístico comprova-se também pela forma como as novas gerações vão cantando as suas canções.
 
Banda da Sociedade Musical de Pevidém
Cineclube de Guimarães 
Grupo Coral de Azurém
Grupo Coral de Pevidém 
Grupo Coral de Ponte
Orfeão de Guimarães
Orfeão do CCD Coelima
Solistas convidados
_
Direção Artística Vasco Faria
informação adicional fechar todos

Maiores de 6

Entrada livre
A Casa da Memória de Guimarães (CDMG) está aberta ao mundo há dois anos. Prossegue o seu caminho como espaço de lembrança (sempre incompleto, ou não fosse a memória uma faculdade de impossível perfeição), de inclusão e tolerância, de conhecimento e partilha, de pluralidade e diversidade. É desta forma que a CDMG se posiciona no território a que pertence e na comunidade que serve: assim desde a sua abertura, assim também no ano que há-de vir.
Constatação evidente: uma efeméride, para além de um ato de celebração, é também ela um tempo de projeção. Neste caso, a CDMG continuará, na sua exposição permanente, a receber interpretações do indivíduo ao grupo, da oficina à visita guiada; continuará com as suas atividades de mediação destinadas a todas as idades, continuará com o seu Repositório não só como espaço de reflexão e de lembrança (seja pelo acolhimento de debates, conferências e conversas, seja pela disponibilização em intranet e internet de acervos), mas também como lugar de onde saem projetos de investigação que unem a memória, nas suas múltiplas formas a Guimarães: o terceiro ano da CDMG acolherá edições em torno da fotografia de e em Guimarães, bem como investigações sobre árvores-memória e à volta de uma certa marginália do Concelho. Tempo para repetir: celebrar é também um ato de memória.
 
PROGRAMA
 
10h00-13h00 e 14h00-19h00 | Visitas e Oficinas
Visitar e Experimentar
 
15h00 | Conversa
Onde estava no 25 de Abril?
Com Ana Maria Lopes, Joaquina Campos, Manuela Juncal, Milice Ribeiro dos Santos e Rosa Guimarães
Conversa moderada por Matilde Seabra
 
17h00 | Filme
Projeção do filme "Toute la Mémoire du Monde" (Alain Resnais, 1956, 21 min.)
Apresentado por Eduardo Brito 
 
Consulte o programa completo no site da Casa da Memória
The Casa da Memória de Guimarães (CDMG) has been open to the public for two years. It has followed its path as a space dedicated not only to remembering – always an incomplete task as the memory is a faculty that cannot obtain perfection – but also to inclusion and tolerance, knowledge and sharing, and plurality and diversity. This is how the CDMG has positioned itself within the territory that it belongs to and with the community it serves; thus it has been since its opening and thus it will be in the upcoming year.

A self-evident statement: this anniversary, in addition to being a simple act of celebration is also a time for greater projection. In this case, the CDMG will continue to feature its permanent collection, receiving precious memory-based interpretations from both individuals and groups, and offering workshops and guided tours. It will carry on with its activities directed at all age groups and continue with its Repository, not only to serve as a setting for reflection and remembering (where debates, conferences and talks are hosted and the collection is made available through Internet and Intranet) but also as a place where research projects emerge, fusing together the memories of Guimarães in their multiple forms. The third year in the life of the CDMG will welcome photography exhibitions as well as studies on memory-trees dealing with certain marginalia of Guimarães County. It bears repeating: celebrating is also an act of memory. 

informação adicional fechar todos
Todas as idades
ENTRADA LIVRE*
*até ao limite da lotação da sala
Pedro Emanuel Pereira nasceu em Guimarães, em 1990. É conhecido o seu talento para a improvisação em torno de composições de diversa natureza, território menos frequentado pelos pianistas da música erudita. A sua improvisação transporta muito da sua própria arte, do seu sólido percurso na música erudita, da sua abordagem ao instrumento orquestral que é o piano, sendo o seu modo de improvisar também ele diferente, com outros motivos, outras influências, outros caminhos, como sucederá nesta abordagem singular à obra de José Afonso.
informação adicional fechar todos
Pedro Emanuel Pereira piano
_
Maiores de 6
Organização Cineclube de Guimarães
Documentário acerca da vida e da obra do poeta, compositor e intérprete José Afonso, o mais conhecido autor da chamada canção de intervenção portuguesa. Não por acaso, Grândola, Vila Morena foi escolhida como senha radiofónica para os militares revoltosos desencadearem, na madrugada de 25 de abril de 1974. O documentário recolhe muitas dezenas de testemunhos de pessoas que conheceram José Afonso e com ele colaboraram, desde familiares e amigos a músicos de várias nacionalidades. Imagens de atuações de José Afonso (algumas inéditas em Portugal, como na Alemanha em 1963) completam este exaustivo trabalho sobre um criador que suplantou em muito a estrita esfera do seu posicionamento ideológico, tornando-se num dos mais originais e destacados criadores do seu país no século XX. Ao longo do documentário, podem ser ouvidas algumas das mais significativas canções da autoria de José Afonso, interpretadas pelo próprio. 
 
QUARTA 25 ABRIL, 21H45
José Afonso. Maior que o Pensamento: Uma História de Resistência 
de Joaquim Vieira (2011, 114 min.)
 
SEGUNDA 30 ABRIL, 21H45
José Afonso. Maior que o Pensamento: Uma História de Liberdade
de Joaquim Vieira (2011, 111 min.)
fechar todos
COMPRAR BILHETES
2,00 EUR
“Mapa” é um projeto que engloba duas versões do mesmo espetáculo: "Estórias de Mundos Distantes" (para adultos) e "Contos e Cantos" (para a infância).
Na sua génese, está a pesquisa de histórias de resistência e evasão em países e territórios em guerra, com especial enfoque nos universos feminino e infantil. Criado a partir de textos originais, poesia oral de mulheres afegãs, músicas e sonoridades de várias culturas de África e do Médio Oriente e outros materiais plásticos e audiovisuais, procura fazer uma reflexão sobre os conceitos de território e fronteira, de pertença e de liberdade.
 
Datas e Horários sexta 27 abril ,10h30 e 15h30 / sábado 28 abril, 11h00 / segunda 30 abril, 10h30 e 15h00
quarta 02 e quinta 03 maio, 10h30 e 15h00 / sexta 04 maio, 10h30 e 21h30
Público-Alvo Maiores 6 anos (versão crianças), público geral (versão adultos)
Duração 60 min.
Lotação 5 turmas/125 pessoas  
 
Espetáculo integrado no MAIS DOIS – Programa de Aprendizagem na área das Artes Performativas
“Mapa” (“Map”) is an undertaking which encompasses two versions of the same show: "Estórias de Mundos Distantes" (“Stories from Distant Lands”) for adults and "Contos e Cantos" (“Short Stories and Songs”) for children.
The project began by researching the stories of resistance and escape from war-torn lands and countries with a special focus on the experiences of women and children. Created by using original texts, oral poetry from Afghan women, the music and sounds from various African and Middle Eastern cultures and other visual and audio-visual material, the goal is to reflect on the concepts of territory and borders and of belonging and freedom. 
informação adicional fechar todos
Criação e Interpretação Fernando Mota 
Dramaturgia e Traduções Francisco Luís Parreira 
Textos Adicionais Poesia Popular Afegã, Eduardo Galeano
Direção Cénica Caroline Bergeron 
Música Fernando Mota
Música Adicional Braima Galissa, George Gurdjieff, Woody Guthrie
Cenografia Fernando Ribeiro 
Desenho de Luz José Álvaro Correia 
Vídeos Miguel Quental 
Operação Técnica Catarina Côdea
Produção Executiva Violeta Mandillo 
Atrizes nos Vídeos Ana Sofia Paiva, Cláudia Andrade e Lucília Raimundo
Vozes Gravadas Ana Sofia Paiva, Cláudia Andrade, Lucília Raimundo, Serena Sabat e Tiago Mota
Agradecimentos Braima Galissa, Cláudia Andrade, Domingos Morais, José Grossinho, Laura Mendes Pinto, 
Moz Carrapa, Nuno Figueira, Rabat Dabah, Serena Sabat
Coprodução Cine-Teatro Louletano, Teatro Aveirense e São Luiz Teatro Municipal, 
Apoio República Portuguesa-Cultura | DGArtes-Direção Geral das Artes 
Atividade gratuita*
*com limite de participação condicionada ao espaço existente
Maria Augusta Babo é Professora Associada com Agregação no Departamento de Ciências da Comunicação da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.
Na sua comunicação falar-nos-á da escrita como técnica inaugural e paradigmática de registo, quer pela sua economia, quer pela sua sistematicidade. Exercendo uma elaboração do pensamento e do mundo, é um dispositivo de retenção, que se pode definir como marca presente do tempo passado: será nesta capacidade de retenção, como memória exterior e inorgânica, que consiste a sua força documental. 
 
Consulte o site da Casa da Memória
Maria Augusta Babo is an Associate Professor with Agregação in the Department of Communication Sciences in the Faculty of Social and Human Sciences, Nova University in Lisbon.
In her talk, she will address the topic of writing as an inaugural and paradigmatic technique of register, whether for its economy or for its systemacity. As writing is an exercise that elaborates one’s thoughts and one`s world, it is also a tool for retaining which can be defined as a present mark of past times. It is in writing’s ability to retain exterior and inorganic memory that it possesses its documental strength. 
informação adicional fechar todos
Maiores de 12
COMPRAR BILHETES
7,50 EUR
Cartão Quadrilátero Cultural_desconto 50%
Neste mini-programa que abraça o Dia Mundial da Dança, Jefta van Dinther estreia em Portugal a sua nova criação, “Dark Field Analysis”. E Tânia Carvalho mostra-nos a sua nova faceta: uma peça de dança para ecrã, intitulada “Um Saco e uma Pedra”. Duas coproduções do CCVF, com bilhete único de acesso.
Em “Dark Field Analysis”, o sangue serve de analogia para olharmos para dentro e para fora: dentro e além de nós mesmos. Na sua mais recente criação, Jefta van Dinther evoca a intensidade de se estar vivo, colocando os humanos em relação com outras formas de vida. O orgânico mistura-se com o sintético, o humano com o animal e o material com o etéreo. “Dark Field Analysis” desenha o seu nome a partir de um ramo da medicina alternativa que utiliza o método microscopia do campo escuro para diagnosticar condições corporais sistémicas que tenham origem no sangue. Uma longa conversa desenrola-se entre dois homens nus num tapete, mas a conversa compreende muito mais do que os factos médicos.
 
APÓS O ESPETÁCULO (SÁBADO)
CCVF / Foyer do Grande Auditório
Há conversa com...
Jefta Van Dinther
 
 
PROGRAMA DIA MUNDIAL DA DANÇA
Bilhete conjunto “Dark Field Analysis” + “Um Saco e uma Pedra”
10,00 EUR | COMPRAR 
In this mini-program which embraces International Dance Day, Jefta van Dinther will premiere his new creation “Dark Field Analysis” in Portugal. Tânia Carvalho will reveal a new facet to us as well in a dance piece for the screen entitled “Um Saco e uma Pedra” (“A Bag and a Stone”). The performances are co-productions with the CCVF, with a single ticket for both shows.
In “Dark Field Analysis”, blood serves at the analogy inviting us to look both inside and outside. In his most recent creation, Jefta van Dinther invokes the intensity of being alive and places humans in a relationship with other forms of life. The organic blends with the synthetic, the human with the animal, and the material with the ethereal. “Dark Field Analysis” draws its name from a branch of alternative medicine which uses microscopy to diagnose systemic conditions in the body which have their origins in the blood. A long conversation takes place between two unclothed men on a carpet, but the dialogue goes much farther than a chat about medical facts.
informação adicional  |  imagens  |  video fechar todos
Coreografia e direção Jefta van Dinther
Criação e interpretação Juan Pablo Camara e Roger Sala Reyner
Desenho de luz Minna Tiikkainen
Cenografia Cristina Nyffeler
Desenho de som David Kiers
Música com base nas faixas "The Slow Drug" e "Horses in my Dreams" de PJ Harvey
Texto Jefta van Dinther, Juan Pablo Camara e Roger Sala Reyner
Assistente de coreografia Thiago Granato
Aconselhamento artístico Gabriel Smeets e Felix Bethge
Coordenação técnica Bennert Vancottem
Direção de arte Martin Falck
Produção Jefta van Dinther
Direção Emelie Bergbohm
Direção de produção Annie Kay Schachtel e Ellika Lindström
Distribuição Koen Vanhove - desempenho-chave
Administração Interim kultur AB (svb)
Coprodução Tanz im August / HAU Hebbel am Ufer Berlim, Tanzquartier Viena, Sadler`s Wells Londres, PACT Zollverein Essen, Centro Cultural Vila Flor Guimarães e Dansens Hus Oslo 
Financiamento the Swedish Arts Council, City of Stockholm, and the Nationales Performance Netz (NPN) Coproduction Fund for Dance, which is funded by the Federal Government Commissioner for Culture and the Media on the basis of a decision by the German Bundestag
Com o apoio de O Espaço do Tempo Montemor-o-Novo, BUDA Kortrijk e The Swedish National Touring Theatre
_
Duração 60 min. s/ intervalo
Maiores de 16
 
5,00 EUR*
*com direito a bilhete para o espetáculo “Dark Field Analysis”
No seu regresso a Guimarães para estrear a sua última criação, “Dark Field Analysis”, Jefta van Dinther conduzirá uma masterclasse de 3h para transmitir parte dos seus conhecimentos a um grupo de profissionais e/ou estudantes, interessados em desenvolver as suas competências na área.
Data Sábado 28 abril
Horário 15h00 às 18h00
Local Sala de Ensaios do CCVF
Público-alvo Profissionais e alunos de dança 
Nº máximo de participantes 20
Data limite de inscrição 26 de abril 
Preço 5,00 eur [com direito a bilhete para o espetáculo “Dark Field Analysis”]
_
As inscrições poderão ser efetuadas no Centro Cultural Vila Flor ou através do preenchimento do formulário disponível neste site.
Having returned to Guimarães to première his latest creation, “Dark Field Analysis”, Jefta van Dinther will conduct a 3-hour master-class in which he will share his knowledge and insights with a group of professionals and/or students interested in developing their skills in the field of dance and movement.
formulario de inscrição fechar todos
COMPRAR BILHETES
5,00 EUR
Cartão Quadrilátero Cultural_desconto 50%
“Um Saco e uma Pedra” é a mais recente criação de Tânia Carvalho. Uma peça de dança em forma de filme onde a coreógrafa troca o palco pelo ecrã.
Vamos imaginar. Há uma peça de dança. Essa peça de dança tornou-se consciente da sua existência. Tornou-se um ser. Um ser independente, capaz de tomar decisões por si mesmo, sobre si mesmo. Decidiu ir ao cinema. Pelo caminho encontrou um saco e uma pedra. Agarrou o saco, agarrou a pedra, e levou-os consigo. Talvez viesse um dia a precisar deles. Fez o seu caminho, chegou ao cinema. Mas tinha por hábito estar do lado do palco, não do espetador. E foi por isso, e por mais nada, que saltou para o ecrã…
 
PROGRAMA DIA MUNDIAL DA DANÇA
Bilhete conjunto “Dark Field Analysis” + “Um Saco e uma Pedra”
10,00 EUR | COMPRAR 
“Um Saco e uma Pedra” (“A Bag and a Stone”) is the latest creation from Tânia Carvalho, a dance piece in the form of a film which swaps the stage for the screen.
Let`s imagine. There is a dance piece. This dance piece has become aware of its existence. It has become a being, an independent being able to make decisions for itself and about itself. It has decided to go to the cinema. On the way, it discovers a bag and a stone. It grabs the bag, picks up the stone and takes them along. Perhaps one day they’ll be needed. The journey complete, the being arrives at the cinema. But usually the being is on the stage`s side and not in the audience. And that`s why, and for no other reason than that, the being has jumped onto the screen…
informação adicional fechar todos
Argumento e realização Tânia Carvalho
Direção de fotografia e edição Christo Roussev
Composição musical Diogo Alvim
Desenho de luzes (em rodagem) Christo Roussev, Zeca Iglésias
Conceito de figurino Tânia Carvalho
Figurinista Aleksandar Protic
Com André Santos, Bruna Carvalho, Bruno Senune, Cláudio Vieira, Jácome Filipe, Leonor Hipólito, Luís Guerra, Petra van Gompel, Ramiro Guerreiro
Assistência à rodagem Pietro Romani
Engenheira de som (gravação de banda sonora) Suze Ribeiro
Montagem e operação de luzes (em rodagem) Zeca Iglésias
Produção de adereço (pedra) Leonor Hipólito
Costureiras Ana Krkobabic, Drena Drinic, Ateliê Maria José
Maquilhador (em rodagem) André Santos
Edição de texto Bruno Duarte
Produção Tânia Carvalho
Produtor executivo João Guimarães 
Coprodução Centro Cultural Vila Flor, Maria Matos Teatro Municipal, Théâtre de la Ville - Paris
Apoio Financeiro Fundação Calouste Gulbenkian
Residências artísticas O Espaço do Tempo, Centro Cultural Vila Flor
Agradecimentos O Espaço Do Tempo, Manuel Guerra
Agradecimento especial Quentin Dusser
_
Duração 50 min. s/intervalo
Maiores de 6
4,00 EUR / 3,00 EUR c/d

Preço Visita ao CIAJG + Visita à Casa da Memória
5,00 EUR / 3,50 EUR c/d

Entrada gratuita crianças até 12 anos / domingos de manhã, das 10h00 às 12h30
Preços com desconto (c/d)
Cartão Jovem, Menores de 30 anos e Estudantes
Cartão Municipal de Idoso, Reformados e Maiores de 65 anos
Cartão Municipal das Pessoas com Deficiência; Deficientes e Acompanhante
_
Cartão Quadrilátero Cultural_desconto 50%
Concebida em estreito diálogo com o programa museológico do Centro, a ampla intervenção de Christian Andersson (Estocolmo, 1973) reúne um conjunto de peças icónicas e incontornáveis da produção do artista — como são, por exemplo, "Scanner" e "From Lucy with Love", instaladas em duas das salas mais simbólicas do percurso expositivo, as salas 2 e 3 do piso que alberga a coleção permanente — e de peças inéditas, especificamente produzidas para esta exposição.
Consulte o site do CIAJG - Centro Internacional das Artes José de Guimarães
 
Horário da Exposição
terça a domingo
10h00-13h00
14h00-19h00

 

Conceived in intimate dialogue with the CIAJG`s museum programme, this major exhibition of the work of Christian Andersson (Stockholm, 1973) combines a set of iconic and compelling works by the artist – such as "Scanner" and "From Lucy with Love", installed in two of the exhibition`s most symbolic rooms (rooms 2 and 3 of the permanent collection`s floor) – plus brand new works specifically produced for this exhibition.
informação adicional fechar todos

Todas as idades

4,00 EUR / 3,00 EUR c/d

Preço Visita ao CIAJG + Visita à Casa da Memória
5,00 EUR / 3,50 EUR c/d

Entrada gratuita crianças até 12 anos / domingos de manhã, das 10h00 às 12h30
Preços com desconto (c/d)
Cartão Jovem, Menores de 30 anos e Estudantes
Cartão Municipal de Idoso, Reformados e Maiores de 65 anos
Cartão Municipal das Pessoas com Deficiência; Deficientes e Acompanhante
_
Cartão Quadrilátero Cultural_desconto 50%
"Duplo Negativo" é a mais ampla exposição realizada por Miguel Leal (Porto, 1967) em contexto institucional. Nesta intervenção,especificamente concebida para o espaço expositivo do CIAJG, o autor põe em evidência algumas das principais caraterísticas do seu trabalho — sensibilidade ao espaço e ao tempo, atenção à construção do dispositivo e às condições de apresentação e uma capacidade discursiva marcada pelo engenho narrativo.
Consulte o site do CIAJG - Centro Internacional das Artes José de Guimarães
 
Horário da Exposição
terça a domingo
10h00-13h00
14h00-19h00
"Double Negative" is the biggest-ever exhibition of the work of Miguel Leal (Porto, 1967) in an institutional context. In this intervention, specifically designed for the CIAJG`s exhibition space, the author highlights some of the main features of his oeuvre – sensitivity to space and time, attention to construction of the device and the presentation conditions, and a discursive capacity marked by narrative ingenuity.
informação adicional fechar todos

Todas as idades

4,00 EUR / 3,00 EUR c/d

Preço Visita ao CIAJG + Visita à Casa da Memória
5,00 EUR / 3,50 EUR c/d

Entrada gratuita crianças até 12 anos / domingos de manhã, das 10h00 às 12h30
Preços com desconto (c/d)
Cartão Jovem, Menores de 30 anos e Estudantes
Cartão Municipal de Idoso, Reformados e Maiores de 65 anos
Cartão Municipal das Pessoas com Deficiência; Deficientes e Acompanhante
_
Cartão Quadrilátero Cultural_desconto 50%
Lógica circular, eterno retorno, repetição e diferença: a nova montagem da coleção permanente, vigente durante o ano de 2018, regressa ao mapa delineado pela exposição inaugural do CIAJG, “Para além da história”.
Trata-se de prosseguir um projeto sem tempo plenamente consciente do tempo em que é realizado, afirmativamente contemporâneo sem ser exclusivamente constituído por objetos de arte contemporânea. A sua natureza é ser transversal, poroso, impuro, aberto e circular, procurando nexos, relações, permanências; por outras palavras, sonda o impercetível que o tempo histórico, tão marcado por uma memória seletiva e fatalmente grosseira, acaba por expurgar.
 
Obras de José de Guimarães, Vasco Araújo, f.marquespenteado, Ernesto de Sousa, Franklin Vilas Boas, Rosa Ramalho, Jaroslaw Fliciński, Mumtazz, Jorge Feijão, Christian Andersson
_
Arte Africana, Arte Pré-Colombiana e Arte Chinesa Antiga da Coleção de José de Guimarães
 
Consulte o site do CIAJG - Centro Internacional das Artes José de Guimarães
 
Horário da Exposição
terça a domingo
10h00-13h00
14h00-19h00
Circular logic, the eternal return, repetition and difference: the new montage from the permanent collection on display in 2018 returns to the map drawn out in at the inaugural exhibition at the José de Guimarães International Arts Centre-CIAJG, “Beyond History”.
The notion is to follow a timeless project but fully aware of the time frame in question, affirmatively contemporary without being exclusively made up of contemporary art objects. Its nature is porous, impure, open and circular, seeking out possible nexus, relationships, and points of permanence; in other words, it probes the imperceptible that historical time – so marked by a selective and fatally vulgar memory – manages to purge in the end. 
informação adicional fechar todos

Todas as idades

3,00 EUR / 2,00 EUR c/d

Preço Visita ao CIAJG + Visita à Casa da Memória
5,00 EUR / 3,50 EUR c/d

Entrada gratuita crianças até 12 anos / domingos de manhã, das 10h00 às 12h30
Preços com desconto (c/d)
Cartão Jovem, Menores de 30 anos e Estudantes
Cartão Municipal de Idoso, Reformados e Maiores de 65 anos
Cartão Municipal das Pessoas com Deficiência; Deficientes e Acompanhante

Cartão Quadrilátero Cultural_desconto 50%
A Casa da Memória é uma âncora da História e da Cultura de Guimarães, nas suas perspetivas histórica, social, cultural, económica e vivencial.
Situada na antiga fábrica de plásticos Pátria, na Av. Conde Margaride, é um local de encontro, partilha e reflexão dos vimaranenses com e sobre as suas raízes, tradições e memórias. Na Casa da Memória poderá encontrar histórias, documentos, factos e objetos que permitem conhecer diferentes aspetos da comunidade vimaranense através de um largo arco temporal: da Pré-História à Fundação da Nacionalidade, das Sociedades Rurais e Festividades à Industrialização do Vale do Ave e à Contemporaneidade. Através de uma leitura cronológica da História é ainda possível conhecer os marcos que modelaram a região de Guimarães e compreender a evolução das suas transformações sociais e geográficas. Mais do que uma visita contemplativa, a Casa da Memória oferece aos visitantes uma experiência. 
 
Consulte o site da Casa da Memória
Casa da Memória is an anchor of Guimarães History and Culture, in a historical, social, cultural, economic and experiential perspective.
Located in the old plastic factory Pátria, in Av. Conde Margaride, is a place where citizens of Guimarães share and reflect on their roots, traditions and memories. Casa da Memória brings together a set of stories, documents, facts and objects enabling us to get to know different aspects of the community from Prehistory to the Dawn of Portugal’s Nationhood, from Rural Societies and Festivities to the Industrialization of the Ave River Valley and Contemporary Times. A chronological reading of History provides a linear reference to get to know the landmarks dotting the region and to understand how its social and geographical transformations have evolved. More than a contemplative visit, Casa da Memória offers an experience to the visitors.
informação adicional fechar todos
Horário 
terça a domingo
10h00-13h00
14h00-19h00
Todas as idades
Já se encontram abertas as candidaturas para a MAT 2018.
O habitual espaço de apresentação dos Grupos de Teatro de Amadores de Guimarães repete o formato revisto e alargado lançado em 2017.
 
Cada grupo deve apresentar-se com um projeto de espetáculo e um espaço de apresentação associado, com o mínimo de condições de apresentação.
 
Depois de recebidos e analisados os projetos, os grupos fazem uma entrevista com o júri de até 30 min cada, para esclarecimento presencial de dúvidas. Desse processo são escolhidos 6 projetos aos quais é atribuído um apoio de 500€ (ver abaixo critérios de avaliação dos projetos).
 
Esses 6 espetáculos são programados na Mostra de Amadores de Teatro que se realiza pelos espaços associados, com os meios de cada grupo, mas com divulgação do Teatro Oficina. Cada grupo apresenta fora do seu espaço para promover a circulação de projetos e públicos – a distribuição dos grupos pelos locais é programada pelo Teatro Oficina, depois de escolhidos os 6 projetos. 
 
Para a Mostra, o Teatro Oficina convida profissionais de teatro para se juntar ao júri. Desse processo serão escolhidos 3 espetáculos para o fim de semana final no CCVF.
 
A ordem de apresentação será feita por sorteio (ver abaixo critérios de avaliação dos espetáculos). Em 2018, há uma nova regra de avaliação: para o fim-de-semana final serão escolhidos os dois melhores espetáculos de acordo com os critérios de pontuação artística e o terceiro espetáculo será o que tiver a maior pontuação de ´envolvimento local`(ver critérios de avaliação nesta convocatória), como forma de tornar a mostra comunitariamente mais inclusiva. 
 
O júri assiste aos 3 espetáculos finais e só aí atribui os prémios nos montantes de 2250€ (primeiro classificado), 1500€ (segundo classificado) e 1000€ (terceiro classificado). 
 
Podem responder a esta convocatória os grupos de teatro de amadores ou entidades a que estão associados, desde que legalmente constituídos e sedeados no concelho de Guimarães.
 
Os projetos deverão ser elaborados de acordo com o regulamento e formulários próprios (disponíveis, abaixo, em PDF) e enviados para o e-mail mat@aoficina.pt até ao dia 24 de maio.
ficheiros fechar todos
2009 © Design Martino&JañaDesign | Programação Webprodz | Optimizado para resoluções superiores a 1280x800